Sociedade | 12-09-2010 00:15

Moradores de Verdelha do Ruivo sentem-se abandonados

Revoltados e indignados, os moradores da Verdelha do Ruivo esperam há décadas que as três ruas que circundam as suas habitações sejam finalmente asfaltadas. O acesso às casas do lugar da freguesia de Vialonga, concelho de Vila Franca de Xira – quer a pé quer de carro – é feito através de arruamentos em terra batida e cheios de buracos. No Verão é o pó que incomoda. No Inverno é a chuva que transforma o local num autêntico lamaçal mesmo à entrada das habitações.Os moradores das cinco casas existentes no local sentem-se esquecidos e abandonados pelo poder político e já não acreditam nas promessas que foram fazendo ao longo dos anos de que iam encontrar uma solução. Segundo os habitantes, o facto de haver poucas casas no local fez com que os responsáveis políticos nunca olhassem para o lugar nem para os moradores, com o respeito e o tratamento devido, que dizem merecer. “Apresentámos os projectos, deram-nos as licenças para construirmos as casas e nunca ninguém nos disse nada. Nessa altura é que eles deviam ter dito que as ruas iam continuar neste estado. Depois de terem dado a autorização tinham a obrigação de arranjar isto e não deviam continuar a ignorar esta situação”, acusa Celeste Ribeiro, 61 anos, habitante no lugar há 39 anos. A moradora desce todos os dias a perigosa rua cheia de pedras para poder apanhar o autocarro. “Às vezes vou atrasada e tenho muito medo de cair com a estrada neste estado”, revela, indignada, ao lado do seu marido que entretanto chegou a casa de carro, levantando uma nuvem de pó.Ao longo das ruas são visíveis as tampas do saneamento básico, instalado no local já há alguns anos. Com o aproximar do Inverno as preocupações dos moradores aumentam. “Isto fica um autêntico lamaçal. Parece um ribeiro. A força da água arrasta a terra e as pedras que depois seguem para o quintal dos vizinhos que moram mais abaixo”, revela Luís Mateus, 53 anos que sempre habitou em Verdelha do Ruivo.O presidente da junta tem conhecimento da situação mas afirma que os trabalhos de alcatroamento são da responsabilidade da Câmara de Vila Franca de Xira. José António Gomes (CDU) acrescenta que a junta tem tentado remediar a situação com a colocação de terra para tapar os buracos, mas que não tem capacidade financeira para asfaltar as três ruas. Em resposta enviada ao nosso jornal a câmara informa que a presidente, Maria da Luz Rosinha e os serviços técnicos vão deslocar-se em breve ao local para analisarem a situação.Presidente da autarquia, Maria da Luz Rosinha, acompanhada pelos serviços da câmara, irá efectuar em breve uma visita ao local e avaliar a situação. Revoltados e indignados, os moradores da Verdelha do Ruivo esperam há décadas que as três ruas que circundam as suas habitações sejam finalmente asfaltadas. O acesso às casas do lugar da freguesia de Vialonga, concelho de Vila Franca de Xira – quer a pé quer de carro – é feito através de arruamentos em terra batida e cheios de buracos. No Verão é o pó que incomoda. No Inverno é a chuva que transforma o local num autêntico lamaçal mesmo à entrada das habitações.Os moradores das cinco casas existentes no local sentem-se esquecidos e abandonados pelo poder político e já não acreditam nas promessas que foram fazendo ao longo dos anos de que iam encontrar uma solução. Segundo os habitantes, o facto de haver poucas casas no local fez com que os responsáveis políticos nunca olhassem para o lugar nem para os moradores, com o respeito e o tratamento devido, que dizem merecer. “Apresentámos os projectos, deram-nos as licenças para construirmos as casas e nunca ninguém nos disse nada. Nessa altura é que eles deviam ter dito que as ruas iam continuar neste estado. Depois de terem dado a autorização tinham a obrigação de arranjar isto e não deviam continuar a ignorar esta situação”, acusa Celeste Ribeiro, 61 anos, habitante no lugar há 39 anos. A moradora desce todos os dias a perigosa rua cheia de pedras para poder apanhar o autocarro. “Às vezes vou atrasada e tenho muito medo de cair com a estrada neste estado”, revela, indignada, ao lado do seu marido que entretanto chegou a casa de carro, levantando uma nuvem de pó.Ao longo das ruas são visíveis as tampas do saneamento básico, instalado no local já há alguns anos. Com o aproximar do Inverno as preocupações dos moradores aumentam. “Isto fica um autêntico lamaçal. Parece um ribeiro. A força da água arrasta a terra e as pedras que depois seguem para o quintal dos vizinhos que moram mais abaixo”, revela Luís Mateus, 53 anos que sempre habitou em Verdelha do Ruivo.O presidente da junta tem conhecimento da situação mas afirma que os trabalhos de alcatroamento são da responsabilidade da Câmara de Vila Franca de Xira. José António Gomes (CDU) acrescenta que a junta tem tentado remediar a situação com a colocação de terra para tapar os buracos, mas que não tem capacidade financeira para asfaltar as três ruas. Em resposta enviada ao nosso jornal a câmara informa que a presidente, Maria da Luz Rosinha e os serviços técnicos vão deslocar-se em breve ao local para analisarem a situação.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo