Sociedade | 14-09-2010 07:27

Junta de Alverca e Câmara de Vila Franca lançam petição para exigir construção de nova circular urbana

A Junta de Freguesia de Alverca lançou ontem uma petição com o objectivo de recolher quatro mil assinaturas para a construção urgente de uma circular urbana na cidade. Os autarcas locais pretendem que o assunto seja analisado em plenário da Assembleia da República e pedem a intervenção dos grupos parlamentares, reclamando a construção da nova estrada a nascente da actual linha férrea. No entanto, a solução não merece a aprovação da Força Aérea, a quem pertence alguns dos pavilhões que seriam parcialmente demolidos com a localização defendida pelos autarcas. Segundo Afonso Costa, presidente da Junta de Alverca, os militares consideram que esta localização “coloca em risco a segurança da operação aérea, assim como das pessoas e bens das zonas confinantes com o Depósito Geral de Material da Força Aérea”.Opinião contrária tem a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e a Junta de Freguesia que apontam a solução nascente como “a mais adequada ao Interesse Público, por ser mais afastada das zonas habitadas das escolas e sem conflito peão/viatura”, acrescentou Afonso Costa.Para a presidente do município, Maria da Luz Rosinha, a possibilidade de construção da variante a poente da linha férrea levanta problemas de ordem ambiental e social. “O ruído produzido por uma infra-estrutura desta natureza e com esta utilização iria transtornar uma zona na proximidade das escolas e das habitações”, disse, acrescentando que haveria também “necessidade de demolição de 14 fogos”. A autarca afirmou que este “é um problema do país” e que a nova via é fundamental para “melhorar as condições dos que aqui vivem, aqui trabalham e aqui querem investir”.A cidade de Alverca é actualmente servida pela Nacional 10, uma via que se encontra completamente saturada. Segundo a Junta de Freguesia, uma contagem de tráfego efectuada em 2004, na Rotunda da Silveira, apontava para “um tráfego total de mais de 1500 veículos, com uma percentagem de pesados de 9 por cento”, na hora de ponta do período da manhã. Ao final da tarde, o número de veículos sobe para mais de 1800 por hora, com cerca de 10 por cento de viaturas pesadas. Neste momento, a única alternativa à estrada existente é a auto-estrada do Norte. Por isso, a Câmara Municipal tem vindo a reivindicar a abolição de portagens para pesados no troço entre Alverca e Vila Franca de Xira. Essa medida “evitaria que muitas das viaturas usassem a Nacional 10. Não seria uma solução total mas um paliativo para este problema”, disse Maria da Luz Rosinha.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo