Sociedade | 17-09-2010 00:32

Aprender a montar e a tourear em Fátima

Nasceu e cresceu ao longo dos últimos 15 anos, fruto de muitos sonhos e ambições, mas a Associação Equestre Regional de Fátima sobrevive hoje à custa dos esforços do professor de equitação e cavaleiro tauromáquico, João Zuquete, e da presidente da instituição, Denise Callebaut. Quando chegou ao espaço há oito anos, lembra João Zuquete, “isto estava praticamente fechado, não havia dinheiro, poucos cavalos, as pessoas tinham saído e leccionavam-se cera de 20 aulas por mês”. Actualmente, 17 cavalos usufruem do espaço e dá-se uma média de 120 aulas mensais. O arranque da associação começou a nível particular, com um dos impulsionadores a dar aulas em sua casa. “Pensaram então em alargar os horizontes e tiveram o apoio do então presidente da Câmara Municipal de Ourém, David Catarino”. O terreno foi cedido em parte pela autarquia e por particulares e as instalações começaram então a ser levantadas em Vale de Cavalos, na freguesia de Fátima. O nome da terra “foi uma coincidência”, comenta.A associação sem fins lucrativos, “só contamos com o apoio de alguns”, acabou por passar por uma fase mais complicada há cerca de uma década. Quando João Zuquete entrou no projecto procurou dinamizá-lo “ao máximo”, invertendo a tendência. “Mas é complicado porque não há recursos. Tem sido a Denise Callebaut quem tem agarrado no projecto e feito tudo para que isto se mantenha”. Para além das aulas de equitação, o grande apoio da associação vem da câmara municipal para as aulas de hipoterapia, as quais são frequentadas por cinco associações para pessoas com deficiência do concelho. O espaço funciona ainda como “hotel” para cavalos, onde lhes é dado alojamento e as condições necessárias ao seu cuidado. Reportagem completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1352
    24-05-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1352
    24-05-2018
    Capa Vale Tejo