Sociedade | 11-12-2010

Moradores passaram noite nas casas destruídas com medo de pilhagens

Depois do tornado de terça-feira em Tomar, muitos dos moradores afectados passaram essa noite e madrugada de quarta-feira a guardar as habitações com medo de pilhagens. Alguns confessam mesmo que se muniram de armas para proteger os seus bens. Esta manhã de quinta-feira as pessoas afectadas tentavam limpar as casas e fazer contas aos prejuízos. A primeira noite de João Inácio, habitante de Tomar, depois do tornado foi em casa, após os avisos de que poderia haver roubos. Dormiu armado e afirma achar necessário pois na cidade têm-se registado assaltos. Sem saber ainda o que fazer, afirma que não deixará a casa desprotegida.Hugo Franqueira, habitante de Tomar, cuja moradia ficou praticamente sem telhas, também recebeu avisos da polícia na noite de terça-feira, mas afirma ser impossível permanecer a vigiar a casa. “Estamos a tirar as coisas para não haver pilhagens”. A família foi instalada numa pensão e vai recorrer à ajuda de familiares nos próximos dias. O Ministro da Administração Interna, Rui Pereira, visitou os concelhos de Tomar e Ferreira do Zêzere na manhã de quarta-feira, dia 8. Em Tomar foi activado o Fundo de Emergência Municipal e os prejuízos nos dois concelhos estão estimados em 12 milhões de euros.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo