Sociedade | 13-12-2010 14:07

Alunos de escola destruída por tornado regressam às aulas "desejosos de estarem uns com os outros"

Os 140 alunos do jardim-escola João de Deus, destruído pelo tornado que na terça-feira atingiu Tomar, retomaram hoje as aulas em instalações provisórias “desejosos de estarem uns com os outros”, disse a directora da instituição.O tornado, que atingiu vários concelhos do distrito de Santarém, provocou estragos consideráveis naquele jardim-escola, em pleno período lectivo, tendo destruído o telhado e provocado ferimentos em alguns funcionários e em 19 crianças, uma delas ainda hospitalizada com uma fractura na perna. As cerca de 140 crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo do jardim-escola João de Deus foram transferidas para uma outra escola pertença da instituição, também situada em Tomar e que acolhia cerca de 130 alunos, tendo as instalações físicas disponíveis sido alargadas com o recurso à instalação de três contentores, dois dos quais montados esta manhã. “Cada turma tem o seu espaço e não haverá acumulação de turmas com o recurso a estes três contentores”, disse à Lusa Alzira Peralta.Segundo referiu, este “é o primeiro dia em que as crianças se reúnem”, seis dias após a ocorrência do tornado, estando “desejosas de se reencontrarem, de estarem juntas, de se tocarem e de falarem entre si sobre o que sucedeu”.A responsável disse ainda que hoje “não vai ser um dia normal de aulas”, afirmando “privilegiar um dia que é de reencontro”. Alzira Peralta acrescentou que “apesar de tudo o que passaram, eles estão contentes por estarem juntos e o dia é dedicado a isso”.A mudança física de instalações não preocupa a responsável da instituição que afirmou que a mudança “não é tão grande como possa parecer”, sublinhando que as duas escolas pertencem à mesma instituição, com hábitos e organizações idênticas. “A orgânica é a mesma, os professores e as educadoras são os mesmos e até a estrutura física da escola é idêntica à que utilizavam”, observou.Alzira Peralta disse ainda que uma equipa de psicólogos do INEM está em “contacto permanente” com a escola e com as crianças, sendo a avaliação das necessidades de acompanhamento efectuadas “caso a caso”. Manuela Carrondo, mãe de um aluno, disse “acreditar” numa adaptação fácil às novas instalações – “são muito idênticas” – tendo acrescentado que as crianças e os próprios pais estão hoje “bem mais tranquilos”, tendo defendido ser “importante que estejam juntos e conversem sobre o que se passou”.Segundo observou Manuel Marques, também ele encarregado de educação, a sua filha “ficou assustada com o que se passou e veio hoje desconfiada, com muitas perguntas sobre os professores, se eram os mesmos, e sobre o que era aquilo dos contentores, como eram e para que serviam”.Manuel Marques referiu ainda ser “importante que as crianças convivam e conversem sobre o assunto para que percebam que tudo está a regressar à normalidade”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo