Sociedade | 26-12-2010 00:01

Freguesia de Casais regressa à normalidade, mas ainda há "muito por fazer"

O presidente da junta de freguesia de Casais, uma das mais afectadas pelo tornado que atingiu Tomar no passado dia 07, só agora começa a dormir sossegado, embora a normalidade ainda não tenha regressado por completo.“Só esta noite dormi sem sonhar nisto”, disse Jaime Lopes à agência Lusa, frisando que, mesmo que com recurso a soluções provisórias, já não chove em nenhuma casa da freguesia.As casas que ainda mantêm plásticos nos telhados são sobretudo de pessoas que ainda não chegaram a acordo com as suas companhias de seguros, outras são habitações mais antigas, para as quais não é fácil encontrar telhas que “casem”. As outras estão telhadas, mas, sublinhou, têm só a telha colocada, porque falta “arrematar”, já que os pedreiros não têm mãos a medir.As queixas de alguns moradores a órgãos de comunicação social não chegaram aos ouvidos de Jaime Lopes, que admite poderem existir barracões ou telheiros ainda destelhados, mas não habitações. O autarca frisa que “ainda está muito por fazer”. “Isto vai demorar uns meses bons”, adiantou.Todas as habitações já têm luz eléctrica, mas falta ainda a iluminação pública, afirmou, enquanto se despedia de um dos muitos piquetes da EDP que têm andado, “incansáveis”, a percorrer os lugares da freguesia.“Os telefones é que estão muito atrasados”, queixou-se, não resistindo a comparar a actuação da PT à da procteção civil municipal, à qual não poupa críticas.Fonte do Governo Civil de Santarém disse que uma das lições a tirar do que aconteceu logo a seguir ao tornado é que os municípios vão ter que ser “pressionados” para terem os seus planos de emergência actualizados, até porque este tipo de ocorrências está a deixar de ser raro para passar a ser frequente na região.Segundo Carlos Catalão, chefe de gabinete da governadora civil, no concelho de Ferreira do Zêzere a actuação da protecção civil municipal foi irrepreensível porque o plano está actualizado e a experiência adquirida com o tornado que afectou o concelho em 2009 permitiu uma resposta mais adequada.Por outro lado, os cidadãos “devem assumir que são os primeiros agentes de protecção civil”, disse, frisando a importância de fazerem seguros que cubram este tipo de risco.Questionado sobre a morosidade na prestação dos apoios prometidos em situações anteriores, Carlos Catalão disse acreditar que os procedimentos que permitirão accionar a conta de emergência, destinada a apoiar os que não têm seguros nem meios próprios para recuperar as suas habitações, serão agora mais céleres.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo