Sociedade | 02-12-2011 12:53

Dívida do Estado coloca em risco empresa sediada em Samora Correia

Um dos maiores empregadores de Samora Correia, concelho de Benavente, a empresa PMH – Produtos Médicos Hospitalares, vive dias difíceis. Em causa está uma dívida de cerca de oito milhões de euros por parte do Estado, através dos centros hospitalares. Os salários dos 530 trabalhadores do mês de Novembro estiveram em causa, mas a empresa conseguiu receber algum dinheiro depois da situação se ter tornada pública. O director financeiro, Rui Santos, afirma que só o pagamento da dívida conseguirá salvar a empresa a longo prazo e tem pena de ainda não ter recebido qualquer tipo de contacto por parte da Câmara Municipal de Benavente.Depois da empresa ter tornado a situação pública no início desta semana, obteve uma resposta por parte da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) que efectuou diligências junto de sete centros hospitalares que se disponibilizaram a transferir perto de um milhão de euros, o que já permitiu pagar os ordenados aos funcionários este mês. A PMH, que conta com 180 trabalhadores em Samora Correia e 320 nas instalações de Penafiel, tem algumas situações de dívidas que remontam a 2009 por liquidar. Os grande devedores são os grandes Centros Hospitalares de Lisboa, Porto e Coimbra. Dos oito milhões que os hospitais nacionais devem à empresa, cerca de seis milhões já estão vencidos. Destes, dois milhões reportam-se a dívidas com mais de um ano. * Notícia desenvolvida na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo