Sociedade | 02-01-2013 07:24

Uma terra onde as pessoas têm casas em terrenos que não são delas

Uma terra onde as pessoas têm casas em terrenos que não são delas
Ernesto Lopes está a amanhar a horta numa das ruas da Fajarda num dos poucos terrenos que está legalizado. Teve a sorte do seu avô ter comprado há muitos ano o lote de terra à família Roquete, dona de muitos hectares de terrenos de cultivo que constituíam a Herdade da Fajarda, no concelho de Coruche. Num tempo em que as transmissões de propriedades eram feitas por boca, Ernesto é dos habitantes que se contam pelos dedos que possui uma escritura e que está livre de um imbróglio administrativo e jurídico criado com o aforamento dos terrenos no século XIX e que afecta grande parte das gentes da localidade.A família Roquete arrendou lotes de 18 mil a 20 mil metros quadrados por cem anos. As pessoas foram construindo casas nos terrenos numa altura em que apenas era exigida uma autorização do dono do espaço. Os arrendatários foram dividindo as terras pelos filhos, pelos netos que construíram também habitações. Após a revolução do 25 de Abril de 1974, recorda o presidente da junta Ilídio Serrador, as pessoas deixaram de pagar rendas. Hoje grande parte dos habitantes tem casas em terrenos que continuam a pertencer à família Roquete. REPORTAGEM NA EDIÇÃO SEMANAL EM PAPEL

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo