Sociedade | 07-01-2013 13:16

Comerciantes que não têm sistema informático passam facturas manualmente

Os comerciantes que não têm o equipamento que permite a emissão automática de facturas simplificadas estão a optar por passar as facturas manualmente para contornar a nova lei fiscal, como confirmam alguns empresários contactados por O MIRANTE. É o caso da esteticista Maria Luísa Costa, 58 anos, com casa aberta há 26 anos em Vila Franca de Xira, em frente à PSP. A esteticista encomendou a nova máquina, que lhe vai custar mil euros, no final de Dezembro, mas ainda vai ter que esperar entre uma a três semanas para usar o novo sistema já que o equipamento estava esgotado. Até lá vai preencher facturas manualmente, tal como a lei prevê. A única desvantagem é que isso aumenta a carga burocrática na comunicação às Finanças. Apesar de ser um peso para o orçamento dos comerciantes Maria Luísa Costa acredita que a medida é positiva. "Penso que é útil para combater alguma economia paralela, sobretudo no meu ramo, já que há muita gente que não paga impostos". No café e restaurante "Lusitânia", na rua Serpa Pinto, em Vila Franca de Xira, a situação é idêntica. Miguel Guedes, 33 anos, comprou o novo equipamento só que ainda não o pode utilizar porque está à espera do programa. Conta ter o sistema operacional na segunda semana do ano. * Reportagem completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo