Sociedade | 30-01-2013 13:09

Comerciantes da Vala do Carregado não querem sair de imóveis ilegais que têm de ser demolidos

A Câmara de Vila Franca de Xira garante que os dois edifícios onde funciona um minimercado e um restaurante vão mesmo ser demolidos por causa das obras de requalificação do rio Grande da Pipa, apesar de os comerciantes não quererem sair do local. Os imóveis, na Vala do Carregado, foram construídos ilegalmente nos anos 40 mas os donos dos espaços comerciais têm licença de funcionamento e é a isso que se agarram para não saírem do local, considerando que o município ao emitir o licenciamento "concordou com a ilegalidade". As negociações entre a câmara e os proprietários das casas continuam mas não se consegue encontrar uma solução. A câmara não se tem mostrado disponível para indemnizar as duas comerciantes, Ivone Andrade e Maria Manuela, e estas dizem que não têm outro sítio para onde ir e montar de novo o negócio. O vice-presidente do município, Alberto Mesquita, admite que a câmara licenciou a exploração daqueles espaços comerciais por ter "bom senso" e para preservar os postos de trabalho ali existentes. O projecto de requalificação do rio prevê a demolição das duas casas onde vai ser feita uma ciclovia e casas de banho públicas. * Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo