Sociedade | 03-10-2013 00:06

Demolição pode ser o destino do "mamarracho" à entrada de Santarém

O gigantesco esqueleto de betão armado na encosta do Caramona, na periferia de Santarém, deve ser demolido, segundo informação do presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves. A estrutura, inicialmente projectada para hotel e que já teve diversos donos, é agora propriedade da construtora Edifer, que já entregou na autarquia o pedido de licenciamento para essa operação.A confirmar-se a intenção, chega ao fim um longo processo com mais de 20 anos ao longo do qual chegou a alvitrar-se por diversas vezes a continuação da obra sem que houvesse quaisquer desenvolvimentos até à data, para lá da colocação de umas telas em redor da estrutura que entretanto o vento esfarrapou e levou. O anterior presidente da câmara, Moita Flores, que classificou a estrutura como "monstro", "atentado ambiental" e "vergonha da cidade", prometeu erradicar essa mancha da paisagem mas não o conseguiu durante os sete anos em que esteve em Santarém.* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Vale Tejo