Sociedade | 16-11-2013 15:29

Autarcas têm que se mobilizar para salvaguardar futuro da colónia balnear e arquivo distrital

A solução mais viável para salvaguardar o futuro da colónia balnear da Nazaré e do arquivo distrital de Santarém passa pela criação de uma associação de municípios do distrito de Santarém que assegure a gestão deste património pertencente à moribunda Assembleia Distrital de Santarém. Um órgão que tem grandes dificuldades de funcionamento porque é raro haver quórum nas reuniões na qual têm assento mais de 60 autarcas, entre presidentes de câmara e representantes das freguesias e das assembleias municipais. Para já existe um projecto para requalificar a colónia, um espaço de grande valor económico que está a degradar-se. A Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo está interessada em viabilizar o património e já foi deliberado entrar em contacto com a outra comunidade que agrega municípios do distrito, a do Médio Tejo, para se acertarem pormenores. Maria do Céu Albuquerque, presidente da Câmara de Abrantes e da Comunidade do Médio Tejo, realça que há necessidade de se avançar com a empreitada de recuperação da colónia. A ideia é que possa servir as crianças do distrito no Verão e os idosos nas outras épocas do ano. O ainda presidente da Assembleia Distrital de Santarém e ex-presidente da Câmara de Torres Novas, António Rodrigues, diz que há condições para se avançar com o concurso para as obras ainda este ano. Em cima da mesa está também a possibilidade de serem as duas comunidades intermunicipais a tomarem conta do património mas esta hipótese é mais difícil de concretizar. A começar pelo facto de ambas agregarem municípios que não pertencem ao distrito de Santarém. * Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo