Sociedade | 25-07-2015 01:11

Alverca é cidade há 25 anos mas ainda há muito trabalho para fazer

Circular urbana e revitalização das zonas antigas são consideradas prioridades.

Alverca do Ribatejo é cidade há 25 anos mas ainda está longe de proporcionar uma qualidade de vida plena aos seus moradores. A falta de uma circular urbana e outras vias de trânsito complementares que melhorem a fluidez do trânsito, a requalificação das zonas mais antigas da cidade, a melhoria dos transportes públicos e a tão esperada ligação da cidade ao rio Tejo são considerados os maiores problemas a resolver.“Há necessidades a resolver, sobretudo da circular urbana. Mas temos de encontrar soluções para não investir em mais vias mas sim potenciar os transportes públicos”, defendeu Alberto Mesquita, presidente da câmara, durante a reunião de câmara realizada em A-dos-Melros, lugar da freguesia de Alverca. Para o autarca é necessário fazer a revisão da linha do norte, que tem troços de velocidade “não aceitável”, segundo o autarca. “A linha de comboio precisa de uma revisão que torne o transporte de mercadorias novamente apelativo e rápido. O rio Tejo também é importante mas a sua navegabilidade é muito deficiente”, lamentou. Mesquita reside em Alverca e admite que é “uma boa cidade para viver”.Os vereadores da oposição, da bancada da CDU, leram uma saudação aos 25 anos da elevação de Alverca a cidade mas dizem não conseguir ficar descansados face ao encerramento de escolas na freguesia e à falta de médicos de família no centro de saúde. Dizem que é necessário acabar com as portagens em Alverca e construir uma variante à Estrada Nacional 10, promover melhor a instalação de empresas na cidade e revitalizar as zonas antigas mediante um plano integrado que crie espaços para o desenvolvimento de actividades culturais, centros de formação e artesanato.Alverca subiu a cidade a 13 de Julho de 1990. Em Outubro de 1855 o concelho de Alverca foi suprimido e unido ao vizinho concelho de Vila Franca de Xira. A cidade foi crescendo com a sua economia fortemente alavancada na indústria e na construção de habitação. O definhar ao longo das décadas da indústria existente levou a uma mudança do paradigma, com a cidade a apostar forte nos serviços e comércio. Tem uma área de 26 653 quilómetros quadrados e 4520 árvores para uma população de 36 120 habitantes. Com a última união de freguesias passou a agregar também a vizinha localidade do Sobralinho.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Médio Tejo