Sociedade | 02-11-2015 08:25

Moradores queixam-se de vandalismo e ruído na Quinta da Piedade

Moradores queixam-se de vandalismo e ruído na Quinta da Piedade

Garrafas de vidro partidas a meio da noite, ruído excessivo e jovens a consumir a traficar drogas leves estão a preocupar os moradores por cima do silo auto, na Póvoa de Santa Iria.

O parque urbano situado por cima do silo automóvel no topo da Avenida Ernest Solvay, na Quinta da Piedade, na Póvoa de Santa Iria, está a tornar-se um local de tráfico de droga, consumo de álcool por parte de menores e num sítio de eleição por parte de alguns grupos de adolescentes para, madrugada dentro, se reunirem e vandalizarem o local, ao mesmo tempo que fazem barulho que incomoda os habitantes do local. As queixas partem exactamente de alguns dos moradores no local que, por mais do que uma ocasião, já se viram o seu descanso perturbado durante a noite devido aos distúrbios que ali ocorrem. Um desses moradores, que não se quis identificar, relata mesmo acontecimentos de violência e agressões com garrafas entre grupos embriagados, comportamento que é mais frequente durante as férias escolares, mas que se está a estender até mais tarde, sobretudo ao fim de semana.Uma das queixas mais frequentes prende-se com o barulho. Os habitantes queixam-se que o parque foi construído num local errado, pois os prédios formam um "U" e o eco é muito, sobretudo de madrugada, com jogos de futebol, garrafas arremessadas e outros ruídos bem depois das 3h00. Até uma moto 4 já andou pelo parque urbano, cujo chão é em pedra, o que no meio da noite tornou o som ainda mais perturbador.O consumo de drogas, ainda que na sua maioria leves, é também relatado por moradores, bem como situações de pessoas a defecar e urinar junto aos carros, num local onde, durante o dia, há crianças a brincar. O medo dos moradores é que estes comportamentos escalem e passem a vandalismo sobre viaturas e casas.Contactada por O MIRANTE, a PSP refere que está ao corrente da situação. "Temos várias participações feitas sobre essas ocorrências nesse local em específico. Trata-se de grupos de jovens que se concentram no local a partir de determinadas horas e que incomodam pelo ruído. Temos já abordado esses grupos, mas não fizemos ainda qualquer detenção, porque não encontramos qualquer indício de posse ou tráfico de estupefacientes. Aliás, a maioria dos grupos dispersa à chegada das nossas patrulhas. Mas é um facto que há perturbações e que temos aumentado a frequência de passagem das patrulhas no local", referiu uma fonte oficial da PSP.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo