Sociedade | 09-11-2015 07:47

Autarca de Vila Franca de Xira quer legislação que impeça novo surto de legionella

O surto de legionella que atingiu o concelho de Vila Franca de Xira há um ano não pode voltar a acontecer e é preciso que as autoridades apostem na prevenção e aprovem legislação que obrigue a uma maior vigilância das fábricas.O pedido foi deixado pelo presidente do município, Alberto Mesquita (PS), durante a última reunião pública de câmara. “É preciso apostar na prevenção para que não voltem a acontecer situações destas no concelho e no país. Na altura falou-se muito da necessidade de introduzir alterações legislativas para fazer a vigilância das fábricas mas nada foi feito”, lamentou.Após o surto de legionella as autoridades de saúde elaboraram um relatório onde recomendavam a criação de legislação específica para enquadrar, entre outros, a actuação dos responsáveis nestes cenários mas essa legislação nunca veio a ser publicada. As vistorias às torres de refrigeração das fábricas, que por norma são os principais focos de contaminação, continuam a não ser obrigatórias nem feitas pelo Estado.O Director-Geral da Saúde, Francisco George, confirmou esta semana, em declarações a uma rádio nacional, que apesar dos riscos terem sido “perfeitamente controlados” durante o surto não houve, até aos dias de hoje, “um reforço de mecanismos” para prevenir estas situações.Já Alberto Mesquita (PS) voltou a associar-se à “dor das vítimas” e voltou a defender que os culpados deverão responder pelas suas acções. “Tenho procurado ser muito cauteloso com o que digo porque oficialmente ainda não existe um culpado. Se bem que os indícios apontem para um local, não existe a indicação taxativa de que foi aí a origem do surto. Temos de encontrar os causadores para que esta situação não se repita”, notou.* Notícia desenvolvida na edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1356
    20-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1356
    20-06-2018
    Capa Médio Tejo