Sociedade | 12-11-2015 19:56

Municípios da Lezíria avançam para sistema único de recolha de lixos

As câmaras associadas na Resiurb - Associação de Municípios para o Tratamento de Resíduos Sólidos querem transformar a empresa Ecolezíria, que gere o aterro sanitário da Raposa, Almeirim, numa empresa de recolha de lixo nos municípios da Lezíria do Tejo. A ideia surge depois de a Resiurb ter tomado posse na semana passada dos 49 por cento das acções que os privados detinham na Ecolezíria, passando assim a ser uma empresa unicamente de capitais públicos. Santarém, Azambuja, Golegã e Rio Maior, que não fazem parte do sistema, podem vir a aderir a este projecto.Segundo o presidente da Resiurb e da Câmara de Almeirim, Pedro Ribeiro (PS), neste momento estão a fazer-se estudos para a gestão integrada da recolha de resíduos. Para isso vai ser fundamental a autorização do Governo à contratação de mais pessoal. Recorde-se que os municípios da Resiurb tinham decidido em Janeiro de 2014 encerrar o aterro intermunicipal da Raposa. Os lixos passaram a ser encaminhados para o sistema da Chamusca. Com o fecho do aterro a Ecolezíria passou a gerir os pagamentos à Resitejo, o encaminhamento de lixos e a monitorização do aterro.Da Resiurb fazem parte os municípios de Almeirim, Alpiarça, Coruche, Cartaxo, Salvaterra de Magos, Benavente e Chamusca (Resitejo), que agora através da associação dominam a totalidade da Ecolezíria. * NOTÍCIA DESENVOLVIDA NA EDIÇÃO SEMANAL EM PAPEL DESTA QUINTA-FEIRA

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo