Sociedade | 14-11-2015 02:03

Benavente aprova orçamento de 16 milhões de euros com críticas da oposição

Orçamento passou com os cinco votos da maioria CDU, a abstenção do PS e o voto contra do PSD. Executivo não adoptou o IMI familiar, mas reduziu a taxa para 0,37%.

A Câmara Municipal de Benavente aprovou o orçamento para 2106 no valor de 16 milhões de euros. O documento foi aprovado com os votos favoráveis da CDU (5), a abstenção do PS e o voto contra do PSD, mas foi votado em reunião privada, o que provocou acesas críticas por parte do PS local, que emitiu mesmo um comunicado acerca do assunto."São matérias importantes e com implicações na vida de todas as pessoas, famílias e empresas sedeadas no concelho de Benavente. Por isso, lamentamos que esta reunião seja privada. O PS entende que esta reunião deveria ser pública, aberta a toda a população, porque a democracia faz-se com todos e não de porta fechada", lê-se no comunicado.Em resposta, o líder da autarquia, Carlos Coutinho (CDU), mostrou-se surpreendido. "A construção deste documento obedeceu a uma série de reuniões mantidas com todos os vereadores ao longo de um mês, no sentido de considerar todas as colaborações. Acredito que é uma forma exemplar e sem paralelo de trabalhar o documento. Por tudo isto, não faz sentido a posição do PS ao manifestar-se contra o facto de ser feita à porta fechada, até porque o documento foi discutido antes em algumas reuniões públicas e o procedimento foi igual ao de outros anos", afirmou.O orçamento prevê investimentos alargados em áreas como a recuperação de parque escolar, com verbas a rondar os 500 mil euros, além de um valor que ronda os 600 mil euros para aplicar na recuperação da rede viária do concelho. "Este é um orçamento condicionado por não haver um quadro comunitário definido", explicou Carlos Coutinho.O responsável explicou que a autarquia se candidatou à atribuição de fundos comunitários para várias empreitadas de recuperação urbana, com destaque para a recuperação da Praça da República, em Benavente e em Samora Correia, a Praça do Município, o Parque Rui Luís Gomes, no Arneiro dos Corvos, entre outros.Na mesma reunião, o executivo decidiu aplicar a descida de uma décima no valor da taxa de IMI a cobrar a toda a população, deixando assim de lado a adopção do chamado IMI familiar, como propunha o PS e como queria uma petição de cidadãos com mais de 800 assinaturas. A taxa fica fixada em 0,37%. Esta medida contou com o voto contra do PSD e a abstenção do PS, passando com os cinco votos da CDU.O executivo fixou também a derrama (imposto municipal sobre o lucro tributável das empresas) em 1,5%, ou seja a taxa máxima para as empresas com volume de negócios superior a 150 mil euros, e 0,5% para as empresas com volume de negócios inferior a 150 mil euros.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo