Sociedade | 28-02-2016 14:28

Falta de passeio em Aveiras de Cima alarma moradores

Residentes garantem que os sustos na zona são frequentes.

A falta de um passeio na Estrada Nacional 366 entre o centro da vila de Aveiras de Cima, Azambuja, e a biblioteca e a igreja da localidade, obriga os moradores a caminhar pela estrada à mercê dos automóveis que circulam em excesso de velocidade. Quem ali vive garante que os sustos são frequentes e há mesmo quem admita que só não há atropelamentos frequentes por milagre.Para complicar ainda mais as coisas, este é o único acesso existente, pelo que os moradores da freguesia só têm duas hipóteses: ou arriscam caminhar na estrada ou ficam em casa. O problema já está por resolver há mais de uma década, quando começou a ser construído no local um centro comercial que obrigou a vedar o terreno com tapumes até ao alcatrão e acabou com o caminho que a população usava para passar longe da estrada. Afinal a obra parou, os tapumes ficaram e os moradores desde então que arriscam a vida sempre que ali precisam de passar.Os autarcas locais dizem-se cansados de apelar à Infraestruturas de Portugal para arranjar solução para o problema. António Torrão, presidente da Junta de Freguesia de Aveiras de Cima, explica a O MIRANTE que o problema é de urgente resolução e que os dias mais complicados são os domingos, por causa da missa, e nos dias em que há funerais. “Ainda agora as coisas estão melhores desde que proibiram os camiões de circular dentro de Aveiras. Mas é um troço com muito movimento, muito perigoso, não há espaço”, lamenta. O autarca diz que uma solução no imediato poderia passar por conseguir recuar os taipais de obra ali existentes, permitindo que a população usasse a berma da estrada para circular em segurança. “O ideal seria construir-se já o passeio, independentemente da obra que um dia se viesse a fazer ali”, defende.* Notícia desenvolvida na edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo