Sociedade | 27-04-2016 16:05

Moradores da urbanização do Mergulhão reclamam barreiras acústicas

Tráfego intenso na circular urbana D. Luís perturba o descanso e a qualidade de vida dos residentes, que reclamam medidas há anos.

Quando decidiram comprar casa na urbanização do Mergulhão, em Santarém, os moradores estariam longe de imaginar o suplício que teriam que enfrentar alguns anos mais tarde devido ao ruído causado pelo trânsito na circular urbana D. Luís I, também conhecida por Rua O. Essa variante com perfil de via rápida que liga a cidade à auto-estrada do Norte e à ponte Salgueiro Maia, distribuindo tráfego para múltiplos destinos, tem uma utilização intensa, que os últimos estudos apontavam para cerca de 1200 veículos por hora durante o dia.

Os moradores e a Cooperativa Lar Scalabitano têm reivindicado nos últimos anos junto da Câmara de Santarém e da empresa pública Estradas de Portugal (entretanto extinta, para dar lugar à Infraestruturas de Portugal), no sentido de serem colocadas barreiras acústicas que permitam atenuar os efeitos do ruído e melhorar a qualidade de vida de quem ali reside. Insistências que não têm tido a desejada resposta, conforme referiu na última reunião do executivo camarário o vereador Jorge Luís (CDU), que aproveitou para perguntar o que tem sido feito nesse âmbito.

Na resposta, o presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves (PSD), revelou que participou em diversas reuniões com a Estradas de Portugal para procurar soluções para o problema, mas já há dois ou três anos que não têm falado sobre a situação. Segundo o autarca, a Estradas de Portugal justificou-se com as restrições orçamentais com que se confronta para não avançar com a intervenção reclamada.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo