Sociedade | 26-01-2017 13:19

Vereadora de Almeirim usa cargo para afrontar empresário e presidente do União

Vereadora de Almeirim usa cargo para afrontar empresário e presidente do União

Maria Emília Moreira manda e-mail da câmara a tomar partido do marido e presidente do Fazendense, que está em guerra com o União

A vereadora da Educação na Câmara de Almeirim, Maria Emília Moreira (PS), usou a sua posição de autarca para afrontar o empresário e presidente do União de Almeirim, tomando as dores do marido, que é presidente do Fazendense e que anda em guerra com o dirigente do clube rival, André Mesquita. A vereadora mandou um e-mail a Mesquita, do seu endereço electrónico da câmara, na qualidade de vereadora, no qual, além de fazer considerações sobre o carácter do presidente do União, ainda diz, em tom de ameaça, que vai ter que rever a sua posição em alguns assuntos na autarquia.

O caso foi parar à justiça e André Mesquita, em declarações a O MIRANTE, refere que só avançou com uma acusação particular, acompanhada pelo Ministério Público, por difamação, porque “a vereadora insinua que vai usar o seu direito de voto, quando tenho questões, enquanto empresário, que necessitam de aprovação da câmara”.

A vereadora acabou por não ser pronunciada para julgamento porque a juíza de instrução entendeu que as expressões usadas, apesar do exagero nas palavras, “não atingem uma carga negativa suficiente para assumirem relevância jurídico-penal”. Justifica ainda na decisão instrutória, proferida esta quinta-feira, 26 de Janeiro, que o que foi escrito no e-mail não teve o propósito de rebaixar e humilhar André Mesquita, que vai recorrer da decisão para o Tribunal da Relação de Évora.

A decisão critica, por outro lado, a actuação de André Mesquita, dizendo a juiza que "não é socialmente adequado que o mesmo aborde/alicie os trabalhadores e jogadores da associação desportiva rival sem sequer falar com o seu presidente ou dirigentes". A juiza salienta que o marido da vereadora, Botas Moreira, estava psicológicamente desgastado por ver jogadores saírem do Fazendense, o que levou Maria Emília "a reagir em defesa do marido".

Na mensagem que enviou ao empresário e dirigente associativo a autarca diz que Mesquita “tem comandado operações absolutamente vergonhosas e reveladoras da maior falta de carácter”. Depois acrescenta: “Nunca pensei que houvesse pessoas capazes de assediar e perseguir outras pessoas”, referindo-se ao facto do presidente do União ter contactos com jogadores de futebol de outros clubes e nomeadamente do Fazendense para que joguem pelo clube de Almeirim. E termina dizendo que Mesquita “se deveria voltar a sentar nas cadeirinhas da escola primária ou da catequese, ou até dos escuteiros, para aprender os valores da vida em sociedade”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo