uma parceria com o Jornal Expresso
23/08/2017
30 anos do jornal o Mirante
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
Sociedade | 31-03-2017 00:02

União de freguesias acabou de pagar dívidas deixadas por Moita Flores

Presidente da autarquia teve de liquidar cerca de 70 mil € de juros porque a Câmara de Santarém não honrou os seus compromissos.

A União de Freguesias de Achete, Azóia de Baixo e Póvoa de Santarém conseguiu finalmente liquidar no mês passado as dívidas que herdou resultantes de obras feitas no tempo em que Francisco Moita Flores (PSD) era presidente da Câmara de Santarém.

Obras contratadas pelas juntas de freguesia, com consentimento e promessa de financiamento por parte município, e que não foram pagas a tempo e horas porque a câmara não transferiu o dinheiro para as várias freguesias que aceitaram essa delegação de competências.

Ao todo foram 70 mil euros em juros que a União de Freguesias de Achete, Azóia de Baixo e Póvoa de Santarém, liderada por António João Henriques (PS), teve de pagar nos últimos anos, referentes a empreitadas que ocorreram sobretudo na freguesia de Azóia de Baixo em 2009 ou 2010, ainda antes da fusão de freguesias registada em 2013.

No caso em apreço, tratou-se de obras em arruamentos que totalizaram cerca de 160 mil euros. Montante que a Câmara de Santarém não transferiu na altura para a Junta de Freguesia de Azóia de Baixo e que esta também não teve como pagar.

O caso foi para tribunal e a dívida acabou por ser liquidada através do PAEL - Programa de Apoio à Economia Local, implementado em 2013 pela Câmara de Santarém e que permitiu ao município acertar contas com fornecedores e prestadores de serviços. Só que os juros sobre essa dívida ficaram a cargo da junta de freguesia, diz António João Henriques.

* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1313
    23-08-2017
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1313
    23-08-2017
    Capa Vale Tejo