uma parceria com o Jornal Expresso
28/07/2017
30 anos do jornal o Mirante
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
Sociedade | 12-05-2017 13:14

Associação critica “condições desumanas” dos profissionais da GNR em Fátima

APG denuncia que "alguns profissionais estão sem acesso a instalações sanitárias que lhes permitam realizar a sua higiene pessoal diária e, ainda, sem alimentação garantida.

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG) criticou esta sexta-feira, 12 de Maio, as “condições desumanas” em que considera estarem os profissionais da GNR de serviço em Fátima, no âmbito da visita do Papa Francisco para o Centenário das Aparições.

Em comunicado, a APG frisa que a “Operação Fátima” está a implicar “o empenhamento de um número extraordinário de profissionais da GNR, que estão a dar o melhor de si, com elevado profissionalismo, para que tudo decorra dentro da normalidade”.

Por isso, “foi com profunda perplexidade e indignação” que teve conhecimento de que "há profissionais que, durante esta operação, que durará em média quatro dias, ficarão alojados em condições sub-humanas”.

“Alguns profissionais irão pernoitar num pavilhão da Escola Prática de Polícia, em Torres Novas, sem acesso a instalações sanitárias que lhes permitam realizar a sua higiene pessoal diária e, ainda, sem alimentação garantida, na medida em que ficam sujeitos à existência de ‘sobras’ das refeições dos instruendos”, refere o comunicado da associação.

A APG lamenta que “colchões no chão, sem lençóis ou cobertores”, sejam “a dignidade que a instituição confere àqueles que a servem”.

“Estes profissionais, que se viram privados de usufruir das suas folgas por força do empenhamento mais que justificado nesta operação, mereciam o mínimo de condições para cumprirem a sua missão e não terem que prestar serviço em condições degradantes, que contrastam com os milhões de euros gastos no suporte à visita do Papa”, considera.

No seu entender, parece que o planeamento foi feito “em cima do joelho”. “Com boa vontade, queremos acreditar que foi uma solução de recurso, sendo certo que nada o justifica, quando este evento foi agendado com um ano de antecedência”, acrescenta.

A APG considera que, pelas suas características, a “Operação Fátima” deveria “sobressair pelo seu valor humano e, é lamentável que isso não aconteça, que sejam precisamente os profissionais da GNR, que deveriam ter direito ao descanso, à higiene e à alimentação a serem arredados da sua condição humana”.

“É grave que o comando-geral tenha conhecimento da situação, que foi denunciada pela APG/GNR, e que não se vislumbrem medidas com a merecida urgência, sendo certo que, se foram enviados responsáveis para apurar os factos ‘in loco’, estes nada mais fizeram do que tentar obter informações sobre a origem da denúncia”, acrescenta.

Na opinião da APG, esta situação “deveria envergonhar o governo, a ministra da Administração Interna e, sobretudo, os responsáveis da instituição”.

Francisco estará em Fátima hoje e no sábado, tornando-se o quarto papa a visitar o maior templo mariano do país. Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010) foram os outros papas que estiveram em Fátima.

O líder da Igreja Católica preside à cerimónia de canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, no sábado.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1309
    26-07-2017
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1309
    26-07-2017
    Capa Vale do Tejo