Sociedade | 19-05-2017 09:26

Câmara de Vila Franca de Xira disponível para criar monumento de homenagem às vítimas da legionella

Durante o protesto à porta da fábrica suspeita de ser a causa da propagação da bactéria ouviram-se pedidos para construção de um memorial às vítimas.

O município de Vila Franca de Xira mostrou-se disponível para estudar a possibilidade de implementar no seu território um memorial às vítimas do surto de legionella de Novembro de 2014, que matou 14 pessoas e infectou mais de 400.

A ideia de construção de um memorial que evocasse a memória da tragédia nasceu durante o protesto das vítimas realizada há duas semanas à porta da empresa Adubos de Portugal (ADP), no Forte da Casa.

Várias vítimas defenderam que seria “de elementar justiça” fazer-se um memorial a quem perdeu a vida e ficou com sequelas por causa do surto. “No fundo foram pessoas que sem terem culpa nenhuma morreram às mãos da incúria de outros e merecem ser homenageadas”, entende Florbela Nunes, uma das afectadas pela bactéria, de Vialonga. Outra vítima, Afonso Almeida, também defende a ideia. “Penso que era justo a associação estudar com a câmara essa possibilidade, até porque estamos a falar do terceiro maior surto do mundo, não foi uma coisa leve que já tenha passado”, conta.

O presidente da câmara vilafranquense, Alberto Mesquita (PS), não fecha a porta à possibilidade de vir a ser implementado no concelho um memorial.

* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Vale Tejo