Sociedade | 07-07-2017 00:05

Entregues Bolsas de Solidariedade da Fundação Amélia de Mello

Entregues Bolsas de Solidariedade da Fundação Amélia de Mello
VILA FRANCA DE XIRA

A Fundação Amélia de Mello, com a colaboração do Conselho para o Desenvolvimento Sustentado do Hospital Vila Franca de Xira, atribuiu na manhã de quarta-feira, 5 de Julho, dez Bolsas de Solidariedade no valor global de 128 mil euros.


Esta é a quarta edição do concurso de Bolsas de Solidariedade, inteiramente dedicado ao apoio de projectos de responsabilidade social com actuação nos concelhos de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Benavente e Vila Franca de Xira.


As candidaturas apoiadas nesta edição incidem em projectos com intervenção directa na área da deficiência e incapacidade, da Associação de Apoio a Idosos e Jovens da Freguesia de Meca (Alenquer), Associação de Assistência e Beneficência Misericórdia de Alverca, Associação do Hospital Civil e Misericórdia de Alhandra, Associação para a Integração de Pessoas com Necessidades Especiais, Casa São Pedro de Alverca, Centro Social e Paroquial de Aveiras de Cima (Azambuja), Cercipóvoa (Póvoa de Santa Iria), CerciTejo (Alverca), Centro de Recuperação Infantil de Benavente e Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca de Xira.


Esta iniciativa, promovida pela Fundação Amélia de Mello, conta com o apoio de vários mecenas e insere-se na política de responsabilidade social do Conselho para o Desenvolvimento Sustentado do Hospital Vila Franca de Xira, procurando reconhecer a importância da promoção da integração social, do bem-estar, do desenvolvimento e da valorização pessoal das populações que o Hospital serve.

* Notícia desenvolvida na edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...
    Caipirinhas para todos os gostos
    Foto do Dia
    As caipirinhas são a aposta há oito anos da van food “Caipi Joca’s”, de Carlos Travessa, um dos presentes na 4.ª edição do Festival Reverence que decorreu nos dias 8 e 9 de Setembro, pela primeira vez, na Ribeira de Santarém. A residir em Salvaterra de Magos, o empreendedor de 38 anos começou o negócio juntamente a sua sócia, Josélia Godinho, de 33 anos, depois de ter tido muito sucesso com o seu bar exclusivo de caipirinhas nas festas de Salvaterra de Magos. O nome surgiu de uma junção de “Caipi” (caipirinhas), “Jo” (Josélia) e “Ca” (Carlos). Entre as várias caipirinhas à disposição, a que está no topo das preferências é a tradicional com cachaça.
    Foto do Dia | 22-09-2017

    Edição Semanal

    Edição nº 1317
    21-09-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1317
    20-09-2017
    Capa Médio Tejo