Sociedade | 06-07-2017 09:23

Municípios fazem mais e melhor que o Estado Central com menos dinheiro

Municípios fazem mais e melhor que o Estado Central com menos dinheiro

Autarcas e dirigentes associativos debateram o poder local no Centro de Bem Estar Social de Vale Figueira.

“A Lezíria do Tejo é, na região do Alentejo a que administrativamente pertence, a que tem uma menor taxa de atendimento na resposta à terceira idade. Por esse motivo vão proliferando os lares ilegais e vamos tendo que ir convivendo com esta situação, que se vai agravar no futuro porque os fundos comunitários não englobaram esta área como prioritária. Era necessária uma estratégia diferente ao nível dos apoios comunitários da União Europeia”.

A opinião é do presidente da Câmara de Benavente, Carlos Coutinho (CDU), um dos oradores convidados do debate “40 Anos do Poder Local: Que impactos”, organizado pelo Centro de Bem Estar Social de Vale Figueira (CBESVF), e que se realizou nessa instituição de solidariedade social do concelho de Santarém.

Além de Carlos Coutinho, participaram no debate, que foi moderado pela directora executiva de O MIRANTE, Joana Salgado Emídio, o presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves (PSD), o presidente da Câmara de Almeirim, Pedro Ribeiro (PS), o presidente da Câmara do Entroncamento, Jorge Faria (PS), e o vice-presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social (CNIS), João Dias.

Ao falar da importância das Instituições Portuguesas de Solidariedade Social (IPSS) na sociedade, Pedro Ribeiro referiu que estas instituições têm que ser bem geridas e têm que ser sustentáveis. “Não têm que dar centenas de milhar de lucro. Se dão lucro, este tem que ser investido naquilo que é a sua função: ajudar os mais carenciados. As câmaras municipais têm muita dificuldade em ter capacidade para apoiar continuamente as IPSS. As IPPS com melhores condições financeiras devem ajudar as que vivem com maiores dificuldades económicas”, considerou.

* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...
    Dançarinas ribatejanas entre as melhores da Europa
    Foto do Dia
    As atletas do Coreo Dance Project, de Benavente, e da ODAC - Oficina de Artes de Coruche alcançaram o quarto lugar na grande final europeia de dança, realizada no Palácio de Congressos de Paris. As atletas têm entre os 7 e os 24 anos e para a responsável do grupo, Marta Salsinha, foi “uma experiência incrível” poder competir com os maiores e melhores bailarinos e coreógrafos da Europa. Uma prestação que deixa orgulhosos os atletas mas também as localidades de Benavente e Coruche. Na comitiva, além dos 25 bailarinos, seguiram também pais e amigos dos atletas. Entretanto, Marta Salsinha está entre os oito nomeados para a categoria de melhor coreógrafo de estilo livre e contemporâneo de 2017, nos Prémios Internacionais Duende que distinguem o que de melhor se faz na dança em Portugal, Espanha, Gibraltar e França.
    Foto do Dia | 24-09-2017

    Edição Semanal

    Edição nº 1317
    21-09-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1317
    20-09-2017
    Capa Médio Tejo