uma parceria com o Jornal Expresso
24/07/2017
30 anos do jornal o Mirante
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
Sociedade | 06-07-2017 20:34
Salvaterra de Magos reforça prevenção e meios de resposta contra incêndios
O presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos assegura que as acções da autarquia têm prevenido a perda de habitações e vidas humanas.

O presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, Hélder Esménio (PS), está preocupado com o número de fogos que têm deflagrado no seu concelho e pediu a convocação de uma reunião extraordinária da Comissão Intermunicipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, que vai realizar-se no dia 11 de Julho, pelas 18h00, na Câmara Municipal de Salvaterra de Magos.

A intenção da autarquia é “avaliar a possibilidade de reforço dos meios de vigilância por parte das forças da ordem e do Exército e de incrementar/acelerar a investigação criminal, pois só com a detenção dos delinquentes será possível assegurar maior tranquilidade às nossas populações”, lê-se em comunicado emitido pelo município onde se aponta para mão criminosa na origem das ignições.

A autarquia afirma que apesar da vigilância realizada por viaturas municipais equipadas com kit de 1ª intervenção cedidos pela Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo/Granho, o concelho tem sido alvo de vários fogos florestais. Para tentar combater esse flagelo, o município está a preparar um edifício em Glória do Ribatejo, onde ficará localizado um posto de Protecção Civil Municipal ao dispor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Salvaterra de Magos.

Está também em funcionamento um antigo furo de captação de água e um reservatório para disponibilizar aos bombeiros uma reserva de água, complementando a reserva legal exigida à empresa Águas do Ribatejo. A vigilância foi reforçada, com um protocolo cooperação com a Associação de Caçadores de Glória do Ribatejo.

O presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos assegura que as acções da autarquia têm prevenido a perda de habitações e vidas humanas. "É fundamental, no entanto, uma vez que estamos na presença de largos milhares de propriedades e de uma área que ultrapassa os 200 milhões de m2, que este esforço seja acompanhado pelas entidades policiais a quem cabe a investigação de crimes no nosso país, sob pena de mais uma vez chegarem tarde demais", afirma Hélder Esménio.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...
    Edição Semanal
    Edição nº 1308
    19-07-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1308
    19-07-2017
    Capa Médio Tejo