Sociedade | 16-08-2017 16:29

Mação vive situação dramática e evacua Vale de Amêndoa

Mação vive situação dramática e evacua Vale de Amêndoa

Fogo está a dirigir-se para a aldeia de Aboboreira e para a vila de Mação.

O incêndio que lavra em Mação, distrito de Santarém, estava a evoluir "de forma muito violenta e completamente descontrolada" cerca das 15h00, uma "situação dramática" que obrigou à evacuação da aldeia de Vale de Amêndoa.

"A situação é dramática, ainda chegou a acalmar durante a manhã mas agora as chamas estão completamente descontroladas e decidimos iniciar o processo de evacuação da aldeia de Vale de Amêndoa, levando as pessoas para a Santa Casa da Misericórdia de Mação", disse, o presidente da autarquia, Vasco Estrela.

"É dramático, o vento vai levantar-se durante a tarde e o fogo está a dirigir-se para a aldeia de Aboboreira e para a vila de Mação e os meios de combate no terreno são insuficientes para resolver esta situação", disse o autarca.

Vasco Estrela criticou ainda a actuação da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC), afirmando não ver “em Mação o número de meios aéreos que estão indicados na página [13 meios aéreos, cerca das 15h00, segundo o site da ANPC]”.

“Alguma coisa está a correr mal", criticou o autarca, acrescentando que, "numa hora crítica, estiveram mais de uma hora sem qualquer meio aéreo".

O vice-presidente da Câmara de Mação, António Louro disse ainda que a aldeia de Louriceira “está cercada pelas chamas”.

Este incêndio de Mação é proveniente de Vila de Rei, distrito de Castelo Branco, e deflagrou em Aboboreira às 00h01, segundo a página da ANPC, tendo diminuído de intensidade nas primeiras horas da manhã, mantendo, no entanto, duas frentes activas que terão "tocado" durante a noite as aldeias de Cerro do Outeiro, Casalinho, Serra e Abobobeira, sem causar feridos ou danos em habitações.

"As duas frentes estão agora menos activas, tendo diminuído de intensidade nas últimas horas devido à descida das temperaturas e aumento de humidade, e estamos num ponto crítico para resolver este problema uma vez que as primeiras horas da manhã são decisivas para que possamos conter o avanço das chamas", disse à Lusa, cerca das 09:00, António Louro, vice-presidente da autarquia.

De acordo com a página da Autoridade Nacional de Protecção Civil, cerca das 15h45, estavam no terreno 310 operacionais, apoiados por 88 meios terrestres e 13 meios aéreos.

De acordo com a mesma página, estavam várias estradas cortadas, nomeadamente a EN 244-3, entre Louriceira e Serra, a EM 1284, entre Chão Codes e Vila de Rei, a EM 548, entre Chão de Codes e Aboboreira, e os Caminhos Municipais (CM) 1284, 75, e 1285.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1369
    20-09-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1369
    20-09-2018
    Edição Vale Tejo