Sociedade | 26-10-2017 19:00

Politécnicos pedem verbas "urgentes" e oferecem-se para "coadjuvar" na problemática dos incêndios

Reunião do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos decorreu hoje em Tomar.

Os Institutos Superiores Politécnicos pedem “urgência” na transferência de verbas do Governo para poderem “fazer face ao aumento de despesa resultante das alterações legislativas” e declaram-se disponíveis para “coadjuvar” na abordagem à problemática dos incêndios em Portugal.


Em comunicado emitido no final de uma reunião do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), realizada hoje em Tomar, os presidentes destas instituições de ensino advertem que, sem a transferência urgente de verbas, não será possível “cumprir compromissos financeiros como vencimentos de pessoal docente e não docente, assim como encargos com os fornecedores, estando igualmente em causa o cumprimento do contrato” assinado com o Governo.


No comunicado, que dedica a primeira parte aos incêndios que assolaram o país e a segunda aos “graves constrangimentos financeiros vividos pelas instituições politécnicas”, o CCISP manifesta a sua preocupação “com as actuais dificuldades financeiras vividas por muitas instituições públicas de ensino superior politécnico”.

Estas dificuldades, sublinha, devem-se a alterações legislativas, derivadas da Lei do Orçamento do Estado para 2017 e pelo regime transitório do Estatuto da Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico, “que conduziram a um aumento muito significativo da despesa, suportado até ao momento exclusivamente pelas instituições, estando a provocar situações graves de ruptura financeira e a colocar em causa o seu normal funcionamento”.

Sobre os incêndios que assolaram o país, os Politécnicos declaram-se disponíveis para “coadjuvar” o Governo, os municípios e as entidades responsáveis pela prevenção e combate a incêndios e apoiar, “no âmbito dos mecanismos existentes da acção social, os estudantes que frequentam ensino superior que tenham sido afectados pelos incêndios”.

Expressando solidariedade para com as populações afectadas, os presidentes dos Institutos Politécnicos afirmam que as suas instituições estão disponíveis para adaptar a sua oferta formativa ou criar novas formações para a qualificação de quadros “com as competências requeridas pelas entidades que actuam neste domínio para tornar a prevenção e o combate dos incêndios mais eficaz”.

Declaram-se ainda disponíveis para promover acções de inovação e desenvolvimento “que permitam encontrar soluções para aumentar a eficácia do combate e contenção de danos provocados pelos incêndios”.

A promoção de acções de solidariedade e voluntariado, “a definir em conjunto com as comunidades locais”, para ajudar as populações afectadas “a recuperar as condições básicas de vida”, é outra vertente de colaboração, adianta o comunicado.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo