Sociedade | 29-10-2017 16:35

Começam obras na Avenida D. Nuno Álvares Pereira em Ourém

Começam obras na Avenida D. Nuno Álvares Pereira em Ourém

Primeira fase de intervenção tem uma duração prevista de quarenta dias.

As obras de requalificação da Avenida D. Nuno Álvares Pereira, principal artéria da cidade de Ourém, arrancam esta segunda-feira, 30 de Outubro. Em nota de imprensa, o município refere que foi aprovado o plano de sinalização e desvio de trânsito para a Avenida D. Nuno Álvares Pereira (primeira fase), entre a rotunda que intercepta a Rua dos Álamos com a Avenida Bombeiros Voluntários. A primeira fase de intervenção tem uma duração prevista de 40 dias.

A avenida D. Nuno Álvares Pereira não vai sofrer grandes alterações, apenas uma requalificação do já existente e uma rotunda a substituir o cruzamento de Santa Teresa (junto ao posto de combustíveis), para melhor fluidez do trânsito. Estacionamento, sinalização, melhoramento de passeios e arborização, assim como equipamentos urbanos (ecopontos e abrigos de espera de autocarro) estão equacionados, além das obras de saneamento, com instalação de fibra óptica.

Recorde-se que, em Abril deste ano, em sessão camarária, os vereadores da Coligação Ourém Sempre (PSD/CDS), nomeadamente Luís Albuquerque – que agora é o novo presidente do município - votaram contra a proposta de adjudicação da empreitada de requalificação da avenida. A vereadora Isabel Costa (que também integra a nova equipa de vereadores) apresentou uma declaração de voto aludindo ao facto de não terem tido acesso a alguma documentação referente ao processo, nem a mesma estar disponível para consulta. A proposta acabou por ser aprovada por maioria com votos dos eleitos socialistas e do movimento independente MOVE.

Os vereadores da Coligação Ourém Sempre garantiram, na altura, que os documentos não chegaram a ser remetidos, tendo apenas nesse dia 7 de Abril sido disponibilizados no edifício da câmara municipal, para consulta”. No entanto, sublinharam que “apesar de não terem sido cumpridos os prazos legais, entenderam, de boa-fé, proceder à sua consulta” para se inteirarem do referido processo.

Constataram que “para além do Relatório Final do Júri existiram três relatórios preliminares que iam alterando a classificação dos diversos concorrentes”. E que “o consultor externo que elaborou o Anexo 5, remetendo para o júri a validação do parecer sobre a reclamação apresentada por um dos concorrentes, assinou o referido anexo às 23h05 do dia 4 de Abril de 2017, tendo o Júri, ainda nesse mesmo dia, redigido o Relatório Final”. Alegando “complexidade” da documentação, os vereadores da oposição manifestaram “perplexidade pela celeridade com que foi elaborado o referido Relatório”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo