Sociedade | 06-11-2017 09:06

As “1001 noites” começaram a andar à solta por Alpiarça

As “1001 noites” começaram a andar à solta por Alpiarça

Cada espectáculo será diferente e haverá sempre muitas surpresas.

Xarir, rei da Pérsia, ao descobrir a traição da sua mulher com um escravo, mandou-a degolar, juntamente com o escravo e suas 20 escravas. A partir dessa data, o rei só casaria com virgens e que mandava, degolar no dia a seguir, para que nenhuma o pudesse trair. Isto durou três anos, até que, Xerazade, uma jovem formosa e pura, pede a seu pai, alvazir do rei e o homem que degolava as virgens, para que ele a ofereça ao rei. Contra todos os argumentos, Xerazade é apresentada ao rei. É assim que começará o ciclo cultural “1001 Noites” organizado, pela primeira vez, por três companhias de teatro da região, Chamusc’Arte (Chamusca), Poucaterra (Entroncamento) e Meia Via (Torres Novas). A estreia será no sábado, 11 de Novembro, seguindo-se mais 15 espectáculos que decorrerão quinzenalmente até Junho do próximo ano sempre pelas 21h30 no pavilhão da Agricultura e do Vinho da Alpiagra, em Alpiarça.

“Cada espectáculo será diferente e haverá sempre muitas surpresas. A única coisa que se manterá vai ser mesmo só a ambiente das arábias com as odaliscas (mulheres escravas do sultão) a acompanharem sempre os espectadores desde os levarem até aos seus lugares, servirem o chá e as passas até os conduzir até à porta de saída do pavilhão”, adianta Carlos Petisca, encenador e fundador da Chamusc’Arte, durante a pré-apresentação do ciclo cultural no sábado, 4 de Novembro. E porque o objectivo deste ciclo cultural é que os espectadores sintam o cenário como a sua casa, quando cada espectáculo acabar, diz, “poderão ainda ficar a conversar, a beber chá ou café e a comer passas ou bolos. Nós ficaremos cá para servi-los e acompanhá-los”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo