Sociedade | 19-12-2017 16:02

Cinzas e inertes a céu aberto no aterro de Mato da Cruz preocupam moradores

Cinzas e inertes a céu aberto no aterro de Mato da Cruz preocupam moradores

Câmara de Vila Franca de Xira e junta de freguesia pressionam Valorsul para resolver problema. Equipamento só fecha em 2022.

Poeiras, maus cheiros e poluição visual. Estas são as principais queixas de vários moradores da zona de Calhandriz, concelho de Vila Franca de Xira, motivadas por vários montes de cinzas e inertes que se encontram no aterro sanitário de Mato da Cruz a céu aberto.


Inicialmente as queixas ficavam-se apenas por alguns moradores da zona nas redes sociais mas agora também os autarcas estão alarmados e já exigiram publicamente respostas para o que está a acontecer.


“A acumulação de lixo no aterro de Mato da Cruz é motivo de preocupação, já tem o seu tempo de vida ultrapassado, a população anseia pelo seu encerramento. Além disso as condições de segurança para a população estão em causa, está com bastantes inertes ao ar livre que não estão acondicionados e à mercê das chuvas e do vento estão a espalhar-se pela zona limítrofe às casas e isso não pode acontecer”, alertou Carlos Gonçalves (CDU), presidente da Junta de Freguesia de Alverca do Ribatejo e Sobralinho, na última reunião pública de câmara.

Notícia completa na próxima edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo