Sociedade | 19-12-2017 19:27

Vila Nova da Barquinha pede medidas eficientes contra poluição do Tejo

Eleitos na Assembleia Municipal defendem que se devem tomar "medidas objectivas, concretas, eficientes e operacionais".

A poluição no rio Tejo tem sido geradora de prejuízos directos na economia do município de Vila Nova da Barquinha, tendo a Assembleia Municipal aprovado uma posição em que exige ao Governo medidas eficientes para a resolução do problema.

"A poluição no Tejo tem tido um impacto directo negativo no turismo, na qualidade das águas e nos nossos recursos endógenos, e as melhorias da situação são meramente residuais", disse o presidente da Câmara de Vila Nova da Barquinha, Fernando Freire (PS).


O autarca referiu que tanto o executivo como a Assembleia Municipal defendem que se devem tomar "medidas objectivas, concretas, eficientes e operacionais, com vista à resolução imediata dos principais problemas já detectados e que, ao nível da bacia hidrográfica, de uma forma directa ou indirecta, contribuem para o agravamento da poluição do rio Tejo".

No documento, que esta autarquia vai enviar à Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) e ao Governo, através do Ministério do Ambiente, recomenda-se como medidas prioritárias a "eliminação imediata de todas as suspensões dos processos de contraordenação que afectem a qualidade das massas de água, a criação de legislação que possibilite medidas de monitorização e controlo por parte das autarquias e movimentos cívicos, bem como agilizar procedimentos para estas poderem intentar, junto dos tribunais, acções populares contra os infractores".


Outras medidas exigidas pelo município presidido por Fernando Freire é a "repristinação da categoria de guarda-rios, elementos essenciais para a vigilância, fiscalização, aconselhamento e conservação dos ecossistemas ribeirinhos", e "que seja possibilitada às autarquias a consulta "on-line" ao armazenamento de águas nas barragens e às descargas diárias".

O documento aprovado pela autarquia defende ainda que "no licenciamento de certas actividades que impliquem focos de poluição difusa, como as suiniculturas, sejam previamente ouvidas as autarquias sobre a sua instalação ou renovação de licenças".

Defende ainda a autarquia ribeirinha a necessidade de "regulamentação sobre o balcão electrónico de denúncias com comunicação ao interessado da evolução do processo e das resoluções tomadas ou adiadas" e manifesta o seu apoio às questões apresentadas pelo Movimento pelo Tejo - PROTEJO, com sede naquele município, propondo que elas sejam apresentadas à APA - Agência Portuguesa do Ambiente.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo