Sociedade | 21-01-2018 20:33

Casa dos Beirões a funcionar no final do ano

Casa dos Beirões a funcionar no final do ano
Foto O MIRANTE

Centro social irá abrir com as valências de centro de dia com capacidade até 35 utentes e apoio domiciliário até 50 utentes.

O Centro Social da Associação Casa dos Beirões do Ribatejo (ACBR) que inclui um centro de dia e apoio domiciliário vai estar a funcionar até ao final deste ano. Foi o que garantiu o presidente da ACBR, Dionísio Abreu, no lançamento da obra de construção do centro que decorreu no sábado, 20 de Janeiro.

O presidente da associação não tem dúvidas que existe muitos centros sociais em Santarém, mas com condições para receber a população contam-se pelos dedos. É por isso que, afirma, esta obra será muito importante tanto para dos sócios como para toda da população. Para já, Dionísio Abreu refere que a obra tem andado sobretudo graças a donativos dos sócios, mas é necessário mais apoio não só por parte da autarquia como também da população. “Peço, por isso, que todos dêem as mãos para que este edifício se ergue para que todos possamos este sonho possível”, apela.

Dionísio Abreu explica que a ideia de construção do Centro Social da ACBR surgiu há quatro anos após vários sócios da associação queixarem-se da falta de infraestruturas do género na cidade. Entretanto, a associação decidiu pedir ao município que cedessem um espaço para o centro. A câmara ofereceu este local no Grainho, Santarém, e fez-se a escritura do terreno. Foi quando a ACBR candidatou-se a fundos comunitários do “Portugal 2020” e começou a trabalhar no projecto.

O presidente da associação admite que ainda estiveram na dúvida se deveriam abrir um espaço de fisioterapia ou uma creche, mas prontamente decidiu-se pela primeira escolha. “Havia uma maior necessidade de um local onde as pessoas pudessem fazer a sua fisioterapia, daí tomarmos essa opção”, admite Dionísio Abreu a O MIRANTE, dizendo que, para já, o centro social irá abrir com as valências de centro de dia com capacidade até 35 utentes e apoio domiciliário até 50 utentes.

Contará com uma biblioteca, uma sala de enfermagem, um consultório médico, um cabeleireiro, uma sala de refeições, uma sala de convívio e uma cozinha. Já numa segunda fase, quando os fundos comunitários forem aprovados, é que se avançará para um lar de idosos que contará com 40 camas, uma sala de refeições e uma sala de convívio.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo