Sociedade | 31-01-2018 10:39

Alternativa à estação dos CTT de Alpiarça não serve população

Alternativa à estação dos CTT de Alpiarça não serve população
Foto O MIRANTE

Depois do encerramento da EDP e da redução em mais de 50% do serviço local da Segurança Social, munícipes de Alpiarça dizem que o próximo serviço a fechar será a Caixa Geral de depósitos.

A 150 metros da estação dos CTT de Alpiarça, cujo encerramento foi anunciado pela empresa, um posto dos correios funciona há oito meses numa papelaria, mas alpiarcenses asseguram que não é a mesma coisa.

Com ambos os serviços situados na mesma rua, na movimentada estrada nacional 118, que atravessa esta vila do distrito de Santarém, a convicção de António Rodrigues é de que o encerramento de uma estação dos correios que já estava aberta quando veio morar para Alpiarça, “há 44 ou 45 anos”, é “uma grande perda para todos”.

“É muito mau. Não concordo que fechem os correios, porque temos que nos deslocar muito longe para depois resolver os nossos problemas em relação aos correios, ou irmos a Almeirim ou irmos a Santarém”, disse, salientando a dificuldade de deslocação, sobretudo para os mais idosos.

Convencido que o posto dos CTT a funcionar na papelaria “não presta o mesmo serviço”, António, que usa os correios para pagar a luz e “determinados serviços”, confessa, contudo, que nunca lá foi nem sabe onde é.

Também António Marques está convencido que o encerramento da estação “é um mau serviço”, porque “isto é um posto dos correios que é útil em qualquer localidade, e em especial aqui em Alpiarça que é sede de concelho e tem uma população de cerca de sete mil e tal habitantes”.

“É isto, já se fala pr’aí à boca fechada que no futuro será aqui a Caixa Geral de Depósitos, e assim sucessivamente. Qualquer dia ficamos aqui dependentes de Almeirim ou de Santarém”, num concelho “que já tem 100 anos”, disse.

Com um aviso de registo na mão, José Francisco do Vale disse que vem frequentemente aos correios “levantar” cartas, porque “normalmente não está ninguém em casa”, e enviar alguma coisa que seja precisa para a neta que está a estudar em Aveiro.

Também nunca foi ao posto de correios José Relvas, criado na papelaria 'Prazer dos Números', e acredita que aí não há “capacidade” para resolver “o que o pessoal quer e exige, que é levantar as reformas e pagar a luz”.

Contudo, Mónica Lagarto, proprietária da papelaria, garante que o posto que funciona no seu estabelecimento desde meados de maio de 2017 presta “todos os serviços que o cliente possa fazer em qualquer loja dos CTT, à excepção dos certificados de aforro e do ‘Western Union’ (para transferência de dinheiro)”, este apenas a aguardar “aprovações” para abrir em breve.

“O levantamento de encomendas, de registos, de vales de correio, as ditas pensões, entregar correio, despachar, seja nacional ou internacional, pagamento de impostos, é possível fazer tudo aqui”, frisou, adiantando que mesmo o serviço de apartados “está a ser tratado” para ser disponibilizado em breve.

Mónica Lagarto disse que mensalmente é visitada para avaliação e que tem conseguido dar resposta à procura, reforçando o atendimento quando tal se justifica, como no início do ano escolar.

“Infelizmente, o ramo da papelaria tem vindo a cair também e as horas de aflição não são tantas quanto isso. As pessoas vão arranjando as alternativas para fazerem as suas compras e nós temos que também arranjar alternativas porque temos contas a pagar também”, salientou.

Para Mónica Lagarto, as pessoas podem até ficar melhor servidas, porque o horário que pratica é mais alargado que o da estação dos CTT, pois durante a semana encerra às 19h00 e está aberta ao sábado de manhã, altura em que tem sido muito procurada, sobretudo para entrega de correio registado, por pessoas que trabalham fora durante a semana.

Como alpiarcense, também ela lamenta que a vila vá perder mais um serviço, depois do encerramento da EDP e da redução em mais de 50% do serviço local da Segurança Social.

“Não posso também deixar de me pôr no lugar do munícipe, como todos os outros. É uma pena”, disse, salientando, contudo, o “cuidado” da empresa em arranjar uma alternativa, o que é “um bocadinho de louvar, porque pelo menos dentro da terra fica-se com uma possibilidade”.

Em frente à estação dos CTT, numa loja de proprietários chineses, receia-se o efeito do encerramento, ainda sem data oficialmente anunciada.

“Se encerrar vamos sentir a diferença, porque a maior parte das pessoas que vêm aqui são as pessoas idosas. Não se vão deslocar depois aqui só para virem às compras”, disse Filipa Ventura, funcionária, salientando que muitos dos clientes são pessoas que “vão receber as reformas, pagar as contas e depois dirigem-se” à loja.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Médio Tejo