Sociedade | 04-02-2018 11:02

Fecho de passagem de nível no centro de Vila Franca de Xira deve ser prioridade

Fecho de passagem de nível no centro de Vila Franca de Xira deve ser prioridade
APELOS. Autarcas estão preocupados e pedem soluções rápidas para reduzir sinistralidade - foto arquivo O MIRANTE

Presidente do município diz que a travessia tem de ser suprimida. Solução pode passar pela requalificação do largo 5 de Outubro.

O encerramento definitivo da passagem de nível junto ao cais de Vila Franca de Xira, onde recentemente morreu um ex-autarca da cidade, deve constituir uma prioridade e ser concretizado rapidamente. Quem o diz é o presidente do município, Alberto Mesquita, que reputou de “trágica” a morte de Carlos Romano, ex-autarca da assembleia de freguesia que foi atropelado por um comboio no mês passado.
“O Carlos morreu de forma trágica, brutal e estúpida. Trouxe-nos a necessidade de repensar rapidamente o que fazer ali. Já se fecharam algumas passagens mas não todas. Esta tem tido uma sinistralidade muito acentuada ao longo dos anos e a prevenção é decisiva para se evitarem novas perdas humanas”, notou o autarca.
A passagem superior rodoviária que estava planeada para o local, metálica e de uma faixa apenas, só avançaria se o condomínio Jardins do Arroz, da Obriverca, avançasse. Mas, sem essa perspectiva no horizonte, Mesquita diz que é tempo da câmara pensar noutra solução que contemple, por exemplo, toda a requalificação do vizinho largo 5 de Outubro.
“Vamos ter de voltar ao tema, arranjar uma solução que rapidamente feche a passagem. Se é uma passagem superior ou inferior ainda não sabemos. Acho que vale a pena retomarmos os estudos e encontrar soluções estéticas mais interessantes. Tudo isto tem de estar interligado e teremos de a contemplar na requalificação da entrada sul da cidade. O que posso garantir é que vamos trabalhar para encerrar aquela passagem de nível”, afiançou o autarca.
Mesquita respondia aos vereadores da CDU e do Bloco de Esquerda que lamentaram o acidente e exigiram soluções. “Entendemos que a câmara no imediato, e sem prejuízo das entidades estatais estudarem outras soluções para o local, deve exigir a reposição do guarda de passagem de nível que ali existia”, defendeu Nuno Libório (CDU).
Já o Bloco de Esquerda, pela voz de Carlos Patrão, mostrou-se “muito preocupado” com o perigo que a passagem representa e a necessidade de serem tomadas “medidas extraordinárias” para reduzir a sinistralidade no local. O BE informou que vai também, nas próximas semanas, apresentar propostas concretas a votação para minimizar os riscos de acidentes nas passagens de nível.
Já na última semana O MIRANTE noticiara a apreensão dos moradores da cidade face ao problema. Apesar de existirem duas alternativas pedonais seguras a esta passagem de nível – uma na estação de comboios e outra directamente ligada à biblioteca – a verdade é que muitos moradores a usam pela proximidade e comodidade do cruzamento. E é a única que permite a passagem de automóveis.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1338
    14-02-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1338
    14-02-2018
    Capa Médio Tejo