Sociedade | 08-04-2018 10:48

Zêzere é uma excepção entre os rios da região

Rio que desagua no Tejo em Constância tem escapado à poluição, muito graças ao facto de ser principal fonte abastecedora de água a Lisboa a partir da albufeira de Castelo do Bode.

Descargas poluentes nos rios e falhas no tratamento de esgotos preocupam ambientalistas e autoridades locais de todo o país, mas há também casos sem problemas significativos de poluição, como o do rio Zêzere, que contrasta flagrantemente com os de outros rios da região como o Maior, o Almonda, o Nabão, o Alviela ou o Tejo, com quem se encontra em Constância.

O facto de o abastecimento de água para três milhões de pessoas da Grande Lisboa ser feito a partir da barragem de Castelo de Bode, nos limites dos concelhos de Tomar e Abrantes, beneficia a ‘saúde’ do Zêzere.

No seu curso (cerca de 200 quilómetros) há três barragens para aproveitamento hidroelétrico – Bouçã, Cabril e Castelo de Bode -, sendo desta que a Empresa Portuguesa das Águas Livres (EPAL) retira 80% da água para abastecimento, beneficiando dos grandes desníveis e do caudal de água, por vezes superior a 10.000 metros cúbicos/segundo.

O presidente da Câmara de Ferreira do Zêzere afirma que, por ser preservada para abastecimento humano, a qualidade da água do Zêzere não é uma preocupação. Jacinto Lopes aponta, porém, a premência da revisão do Plano de Ordenamento de 2003, que se deveria ter iniciado em 2013, considerando que este instrumento “castra o uso e fruição” do rio, ao limitar as actividades lúdicas e desportivas, o que contribui para a redução do turismo e de segundas habitações.

O presidente da Câmara de Vila Nova da Barquinha, Fernando Freire, diz que o “cuidado intensivo” com a água faz do Zêzere “um rio sem grandes problemas ecológicos”. Nesse concelho, o rio sofre, “sem grande intensidade”, os efeitos dos episódios de poluição no Nabão (um dos principais afluentes do Zêzere), que levaram recentemente os municípios de Tomar e Ourém a reunirem-se com a Agência Portuguesa do Ambiente para serem identificadas as fontes poluidoras.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo