Sociedade | 18-04-2018 15:02

Mãe que fugiu com a filha condenada a 14 meses de prisão

Mãe que fugiu com a filha condenada a 14 meses de prisão
FOTO D.R.

Tribunal de Santarém suspendeu a pena de prisão sujeita à obrigação da arguida permitir que a filha se relacione com o pai, Gonçalo Russo.

O Tribunal de Santarém condenou Zita Amaral a 14 meses de prisão pelo crime de subtracção de menor. O colectivo de juízes entendeu suspender a pena de prisão mas aplicou a obrigação da arguida permitir que a filha, actualmente com 11 anos, se relacione com o pai, Gonçalo Russo, em regime de visitas ou guarda partilhada.

O tribunal considera que os factos são graves e que Zita Amaral quis privar o pai de se relacionar com a filha. “O grau de ilicitude é muito elevado e a menor está há seis anos sem poder ver o pai. Ambos os progenitores são fundamentais para o crescimento saudável da criança”, referiu a juíza, acrescentando que este tipo de condutas começa a acontecer com frequência em Portugal.

No final da audiência, Gonçalo Russo estava aliviado com a decisão mas não se mostrou totalmente satisfeito. “A gravidade dos actos requeria que houvesse o cumprimento de uma pena de prisão efectiva, até para salvaguardar outros casos como o meu. Vamos ver se a mãe da minha filha cumpre com a decisão do tribunal, o que eu duvido que aconteça”, afirma. O pai de Iara Amaral Russo diz que com esta decisão do tribunal de Santarém foi dado um passo para que se cumpra com os direitos da sua filha em estar com o pai. “Vou aguardar o desenrolar do processo. Só ficar realmente satisfeito quando poder estar finalmente com a minha filha”, realçou.

Em sessão anterior do julgamento, a juíza do Tribunal de Santarém considerou que o comportamento de Zita Amaral é altamente censurável. “É importante que a sua filha, quando tiver maturidade, saiba que o pai esgotou todas as possibilidades para ver a filha e que tenha provas disso. Não desista de lutar pela sua filha e vá até ao fim com essa luta”, referiu na altura, dirigindo-se para Gonçalo Russo, que desde Janeiro de 2012 não vê a filha, que agora tem 11 anos de idade.

O empresário de Almeirim disse em tribunal, na sessão realizada a 21 de Março deste ano, não ser justo para nenhum pai o que lhe está a acontecer, estando há mais anos sem ver a filha do que aqueles que conviveu com Iara.

“Até hoje ninguém quis saber dos direitos da minha filha. Espero que finalmente seja feita justiça porque têm sido anos de terror da minha vida. Sempre pensei que houvesse justiça que fizesse cumprir os direitos da minha filha e os meus”, afirmou Gonçalo Russo. Cristina Almeida e Sousa disse entender a sua angústia e sofrimento.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo