Sociedade | 23-05-2018 19:04

Cortiça em destaque em Coruche em ano que perspectiva "valorização interessante"

Cortiça em destaque em Coruche em ano que perspectiva "valorização interessante"

A Feira Internacional da Cortiça é inaugurada amanhã e decorre até domingo no Parque do Sorraia (na zona ribeirinha) e no Observatório do Sobreiro e da Cortiça.

A campanha de cortiça de 2018 perspectiva-se “boa em termos de preço”, esperando-se uma valorização “na casa dos 20%” em relação à campanha anterior, disse o director-executivo da Associação de Produtores Florestais de Coruche.

António Gonçalves Ferreira afirmou que a “valorização interessante” da campanha que agora se inicia se deve essencialmente a um aumento da procura, a uma perspectiva de produção “ligeiramente menor” e à “capacidade da indústria de transmitir mais valor”, factor que os produtores gostariam que fosse o de maior peso.

Sector em destaque na X FICOR, Feira Internacional da Cortiça, que decorre de quinta-feira a domingo, em Coruche (distrito de Santarém), a cortiça está ainda a recuperar da quebra “considerável” do preço sentida em 2008-2009, início da crise financeira.

“Este ano, a recuperação perspectiva-se muito para além da tendência dos anos anteriores”, disse o responsável da APFC.

Esta constatação vai servir de mote a um dos painéis da conferência “Cortiça, um sector em mudança”, que se vai realizar na manhã de sexta-feira no âmbito da FICOR, com responsáveis da Amorim S.A., da Cork Supply e da Diam Corchos a procurar responder à questão “o que mudou no mercado?”, levando a uma valorização “além do que era esperado”.

António Ferreira disse que a qualidade da cortiça da campanha deste ano só será verdadeiramente conhecida quando se iniciar a extracção, altura em que se perceberá se a seca de 2017 teve impacto no crescimento da cortiça no último ano.

A FICOR tem servido de palco para uma primeira amostragem da qualidade da campanha, dando aos proprietários uma ideia do valor no mercado e aos industriais uma oportunidade para fazerem a sua própria avaliação, disse.

Desde há um ano, a associação “deu um passo em frente” ao criar a Plataforma Electrónica da Transacção da Cortiça, que tornou a negociação da cortiça mais abrangente, mais pública e mais transparente, frisou.

Por essa plataforma, onde os produtores que assim o desejem publicam o valor e o local da produção, facilitando o contacto directo com os industriais, passa já “um volume muito relevante” da produção nacional, salientou.

Com perto de meio milhar de associados, a APFC abrange uma área de cerca de 216 mil hectares, dos concelhos de Coruche, Mora, Vendas Novas, Benavente, Salvaterra de Magos, Almeirim, Chamusca e Ponte de Sôr, onde a produção de cortiça é predominante a nível nacional.

Coruche, onde se produzem 5 milhões de rolhas de cortiça por dia, reivindica para si o título de capital mundial da cortiça, tendo a funcionar no seu território o Observatório do Sobreiro e da Cortiça, pólo de investigação que considera “único a nível internacional”, e dinamiza, desde há uma década, a Feira Internacional da Cortiça.

O certame tem por objetivo “relançar a cortiça como alavanca da economia nacional, reforçar a liderança internacional de Portugal no sector” e promover a marca Coruche, nas vertentes turística e económica, sublinha a Câmara de Coruche, promotora da FICOR.

Quinta-feira, na abertura oficial do certame, o município vai apresentar a marca “Montado de Sobro e Cortiça”, que junta 46 entidades das regiões do Ribatejo e do Alentejo e é financiada pelo programa comunitário Alentejo 2020 para “valorizar um recurso endógeno único no mundo, em territórios de baixa densidade”.

“A marca ‘Montado de Sobro e Cortiça’ visa fortalecer as parcerias existentes, com os vários agentes da fileira e do território, com o objetivo de obter economias de escala para um forte reconhecimento e valorização do montado, tanto a nível nacional como internacional”, procurando tornar o território “melhor para viver, mais atractivo e competitivo para investir e diferenciador dos restantes produtos turísticos”, refere o município num documento de divulgação do evento.

À apresentação da marca, às 18h00, seguir-se-á a entrega do prémio “Melhor Cortiça 2017”, atribuído pela APFC, culminando um dia de visita pela indústria, montado e Observatório do Sobreiro e Cortiça, onde vai ser inaugurada a exposição “iCork – News uses in Architecture 2.0”, pelas 14h30, estando agendada para a noite a actuação do humorista Nilton.

A Feira Internacional da Cortiça decorrerá até domingo no Parque do Sorraia (na zona ribeirinha) e no Observatório do Sobreiro e da Cortiça (na Zona Industrial do Monte da Barca).

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo