Sociedade | 16-07-2018 10:52

GNR deteve suspeito de 17 roubos em Fátima

Foi realizada uma busca domiciliária que permitiu apreender diverso material informático, duas pistolas, uma espingarda caçadeira com os canos serrados e sabres.

A GNR deteve um homem de 32 anos suspeito de ser o autor de 17 furtos em residências e estabelecimentos comerciais na cidade de Fátima.

Segundo a GNR, “foi realizada uma busca domiciliária que permitiu apreender diverso material informático, como computadores, ‘tablets’, telemóveis e discos rígidos”, assim como armas, “nomeadamente duas pistolas, uma espingarda caçadeira com os canos serrados e sabres”.

“Foram ainda apreendidos outros materiais, continuando a decorrer averiguações sobre a sua proveniência e correlação com outros furtos”, refere a GNR, adiantando que o arguido “mantinha escondido dentro de um poço anexo à sua residência inúmeros artigos”, pelo que foi necessária “a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Fátima para drenar a totalidade da água e recuperar alguns desses artigos”.

Entretanto, a Procuradoria da Comarca de Santarém, na sua página na Internet, informa que o detido, residente em Fátima, foi presente a primeiro interrogatório judicial na quinta-feira “após emissão de mandados de busca e detenção fora de flagrante delito, no âmbito de inquérito em investigação pelo Ministério Público”.

A Procuradoria adianta que o processo, tramitado pela secção de Ourém do Departamento de Investigação e Acção Penal, “reporta-se a 14 crimes de furto qualificado na forma consumada, quatro crimes de furto qualificado na forma tentada e um crime de dano na forma consumada, todos eles praticados em Fátima, entre Julho de 2017 e Julho de 2018”.

“No decurso do referido interrogatório judicial, o Ministério Público considerou que o arguido estava fortemente indiciado pela prática dos crimes referidos e evidenciou os perigos de continuação da actividade criminosa e de alarme social capaz de alterar a ordem e tranquilidade pública, pelo que promoveu a aplicação de medida de coação privativa da liberdade, preferencialmente a de obrigação de permanência na habitação com vigilância electrónica”, esclarece a Procuradoria.

O juiz de instrução deferiu o pedido do Ministério Público, tendo o arguido recolhido a um estabelecimento prisional de Leiria, “onde irá aguardar os trâmites logísticos, entre eles a recolha de autorização de sua mãe, com quem habita”.

A GNR vai prosseguir as diligências de investigação nos termos delegados pelo Ministério Público, acrescenta a Procuradoria da Comarca de Santarém.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo