Sociedade | 18-07-2018 13:07

População de Ereira insegura depois de assaltos durante o dia

Presidente da Câmara do Cartaxo quer reforço dos meios de segurança na freguesia.

João Mota foi uma das vítimas dos assaltos que têm ocorrido na localidade de Ereira, concelho do Cartaxo, nas últimas semanas, durante o dia. Quando chegou a casa na tarde de 3 de Julho deparou-se com a casa toda revirada, tendo os larápios levado peças de ouro no valor de cerca de 300 euros. “Só estranho porque os ladrões reviraram tudo e mexeram num conjunto de moedas que tenho e no computador mas não levaram, não sei porquê”, afirma João Mota a O MIRANTE.

Na localidade as pessoas estão assustadas com os assaltos ocorridos. Há quem tenha visto pessoas de etnia cigana junto das casas assaltadas mas não têm provas que possam determinar quem são os autores dos assaltos.

João Mota apresentou queixa na Guarda Nacional Republicana (GNR) mas não acredita que venha a recuperar os seus objectos. “A população, que é na sua maioria idosa, está assustada com o que tem acontecido. No entanto, acredito que eles não vão regressar, acho que vão assaltar outras terras onde ainda não estiveram”, alerta.

No seguimento destes assaltos, o presidente da Câmara do Cartaxo, Pedro Magalhães Ribeiro, e o presidente da União de Freguesias de Ereira/Lapa, João Nunes, solicitaram ao comando do posto territorial da GNR do Cartaxo uma reunião com carácter de urgência, onde vão pedir que a GNR reforce os meios de segurança na freguesia.

“O reforço dos meios de segurança no local pode ajudar a serenar a população que se sente insegura. Queremos também saber qual é o ponto da situação da investigação que está a ser feita em relação a estes assaltos. É necessário que os causadores destes actos saibam que todos estaremos atentos e a trabalhar de modo coordenado”, referiu Pedro Ribeiro a O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo