Sociedade | 27-07-2018 07:26

Vila Franca de Xira quer solução para passagem de nível perigosa

Vila Franca de Xira quer solução para passagem de nível perigosa
Foto arquivo O MIRANTE

Autarcas aprovaram por unanimidade moção a exigir intervenção rápida.

O Governo deve “assumir as suas responsabilidades” e competências e avançar, “sem mais demoras”, em acções imediatas para “mitigar os riscos de atravessamento” da passagem de nível do cais de Vila Franca de Xira, local de elevada sinistralidade. A exigência consta de uma moção apresentada pela CDU e aprovada por unanimidade na última reunião pública de câmara.

No mesmo documento é exigido ao governo que estude “soluções e concretize acções mais estruturadas e definitivas” que assegurem a segurança de peões e condutores no atravessamento da linha férrea que atravessa a cidade.

“O acesso à Biblioteca Municipal Fábrica das Palavras, ao passeio ribeirinho, ao Jardim Municipal Constantino Palha, bem como às habitações e comércio que existem junto do cais, fazem desta passagem um local muito inseguro, pese embora a alternativa da passagem superior pedonal de acesso à Biblioteca Municipal de Vila Franca de Xira”, lê-se no documento.

O presidente da câmara, Alberto Mesquita (PS), acusa os diferentes governos de nunca terem tido em consideração os problemas daquela passagem de nível.

“Chegou o momento de quem tem responsabilidades a nível governamental as possa tomar” para resolver o assunto, afirmou o autarca, que admitiu também que a ideia estudada há uma década, de fazer uma passagem superior rodoviária junto à praça de toiros, “dificilmente” será concretizada. “Não vale a pena recuperar o protocolo que em tempos existiu para fazer essa passagem”, defendeu.

O vice-presidente do município, António Oliveira, explica que a IP já fez chegar uma proposta à câmara para melhorar a passagem de nível mas o autarca admite que “pouco irá acrescentar” à segurança da via. “A ideia é fazer um corredor exclusivamente pedonal, ao lado do corredor para os automóveis. É uma ideia minimalista que não resolverá nada”, lamenta.

Aquele organismo já informou também o município que não tem disponibilidade de meios para colocar ao serviço, nas horas de ponta, um guarda de nível naquela passagem, que já vitimou 25 pessoas nos últimos 12 anos.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo