Sociedade | 09-08-2018 17:21

Calor excessivo queimou as uvas

Calor excessivo queimou as uvas
Foto de Arquivo

O “fogo sem lume” queimou boa parte da produção de uvas da campanha desde ano. A vindima deverá começar a meio de Agosto mas já não será como previsto.

A onda de calor que assolou o país nos últimos dias já fez estragos nas vinhas. O “fogo sem lume” de que falou Manuel Gabirra a O MIRANTE serviu para explicar que o calor da terra destruiu muita da produção vitivinícola deste ano principalmente no Ribatejo e nos terrenos de charneca. “Nesta altura as uvas estão protegidas pelas folhas das videiras mas o calor desta vez veio da terra e queimou a valer uma boa parte da produção”, acrescentou. As vinhas do bairro foram mais afectadas que as da Lezíria, referiu ainda o agricultor de Almeirim e presidente da Adega Cooperativa de Almeirim.

Os prejuízos ainda não são calculáveis mas podem chegar a vinte por cento da produção nas vinhas do campo, e a cinquenta por cento nas vinhas dos terrenos mais arenosos, como é o caso da charneca e do bairro.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo