Sociedade | 03-09-2018 08:42

Câmara de Alpiarça inova e decide reduzir número de dias da Alpiagra

Câmara de Alpiarça inova e decide reduzir número de dias da Alpiagra
Certame vai realizar-se entre os dias 5 e 9 de Setembro

Mário Pereira diz que é uma experiência que pode ter continuidade se balanço for positivo

A Câmara de Alpiarça decidiu inovar e este ano a Alpiagra – Feira Agrícola e Comercial de Alpiarça vai ter menos quatro dias de duração, passando para cinco dias de duração. Esta vai ser uma experiência que o município quer ver como corre para decidir se mantêm o formato ou se volta ao formato inicial. “Nas últimas edições da feira temos recolhido opiniões dos expositores e muitos deles consideram que o certame tem dias a mais e que alguns dias, como a segunda, terça e quarta-feira, são mais fracos”, justifica o presidente da Câmara de Alpiarça, Mário Pereira (CDU).


O autarca reconhece que decidiu arriscar, tendo em conta que em outros concelhos os eventos também estão a apostar em eventos que não vão além de uma semana. Mário Pereira considera que estão reunidas todas as condições para esta ser mais uma “excelente” Alpiagra, que é um ponto de encontro das gentes do concelho e de outros municípios vizinhos. O presidente afirma que a Alpiagra é o principal evento cultural e de mostra económica do que se produz no concelho de Alpiarça. Recusando a ideia de que a feira seja uma bandeira política, afirma no entanto que procura criar uma programação que agrade à população.


Este ano vão estar 127 expositores, mais duas dezenas do que no ano passado. A maior adesão do número de expositores, diz, é uma prova de que a Alpiagra é uma feira com sucesso. O município decidiu este ano fazer uma maior aposta na divulgação do certame. A vontade de inovar e renovar uma feira que já vai na 36ª edição levou a que também houvesse uma arrumação dos espaços. A zona de restauração passou para o chamado pavilhão de espectáculos, de modo a que quem vai jantar possa desfrutar dos espectáculos musicais. Não vão faltar bares, tasquinhas e animação de rua.


O pavilhão da Agricultura, do Vinho e dos Petiscos passa para o pavilhão, onde habitualmente se realiza o momento da inauguração do certame. Na nave desportiva a exposição de automóveis passa para o exterior e no interior passam a estar os expositores institucionais e também exposições culturais. As garraiadas foram reintroduzidas há cinco anos e têm sido um sucesso. “As pessoas receberam muito bem as garraiadas e todos os anos tem muita procura por isso temos mantido esta aposta”, diz Mário Pereira.


O investimento do certame (cerca de 100 mil euros) é o mesmo que nos últimos anos apesar deste ano a feira ter menos dias. O autarca explica que o investimento não tem a ver com o número de dias. “O grosso do investimento é nos espectáculos e nos dias que agora a feira não se realiza, à segunda e terça-feira, não tínhamos muitos espectáculos, não eram dias fortes por isso a diferença no investimento é o mesmo. Encurtamos o número de dias para concentrar a programação. Queremos que o certame seja mais prático para os visitantes”, sublinhou.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo