Sociedade | 10-10-2018 17:56

Sargento Malacão da GNR condenado a oito anos de prisão efectiva

Sargento Malacão da GNR condenado a oito anos de prisão efectiva
Sérgio Malacão

Tribunal considerou que o ex-comandante dos postos de Coruche e Alpiarça cometeu crimes de corrupção, falsificação e abuso de poder no exercício das suas funções

O Tribunal de Santarém condenou na tarde desta quarta-feira, 10 de Outubro, o sargento da GNR, Sérgio Malacão, que comandou os postos de Coruche e Alpiarça, a oito anos de prisão efectiva. O tribunal considerou provada a generalidade dos factos dos vários crimes de que estava acusado e que reportam ao tempo em que era comandante do posto de Coruche.

O sargento da GNR estava acusado de onze crimes, quando esteve a comandar o posto de Coruche entre 2008 e 2012. Entre as acusações do Ministério Público estavam a de receber dinheiro para vigiar uma herdade e as de anular multas de empresas e conhecidos, entre as quais uma do filho do então presidente da câmara.

Malacão foi condenado por um crime de corrupção passiva para acto ilícito, dois crimes de falsificação, três crimes de abuso de poder, um crime de denúncia caluniosa, dois crimes de denegação de justiça e prevaricação e um crime de coacção agravado. Entre as várias situações, está um episódio em que o sargento, colocou uma arma no bolso de um detido para o obrigar a assumir o furto de dois suínos.

O colectivo de juízes sublinhou na leitura do acórdão que Sérgio Malacão foi “forte com os fracos e fraco com os fortes” e que deu uma má imagem da GNR e da justiça em geral, considerando que os crimes pelos quais foi condenado são graves e revelam práticas “prepotentes e revanchistas”.

Além da condenação em prisão, o tribunal ordenou a proibição de exercer funções na GNR por quatro anos, mandou recolher amostras de ADN do sargento para constarem na base de dados de perfis de ADN. Determinou ainda comunicar a decisão ao Ministério da Administração Interna e ao Comando Geral da GNR.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo