Sociedade | 11-10-2018 08:58

Modelo de visitação das pegadas dos dinossáurios é jurássico

Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios da Serra D’Aire tem a mesma comunicação de há 20 anos.

O Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios da Serra D’Aire tem a mesma comunicação de há 20 anos e “precisa urgentemente de uma actualização dos modelos de visitação”, referiu Maria de Jesus Fernandes, directora do Parque Natural da Serra D’Aire e Candeeiros (PNSAC), na quarta-feira, 10 de Outubro, em Torres Novas.

“Não faz sentido manter a mesma comunicação de há duas décadas, quando o público de hoje, quer seja escolar quer sejam os muitos estrangeiros que visitam o monumento sobretudo pela sua proximidade a Fátima, têm outros recursos e outras exigências”, alertou a directora do PNSAC, perante uma audiência constituída pelo ministro do ambiente, pelo presidente do ICNF e por vários autarcas de Torres Novas e dos municípios que integram o PNSAC, assim como representantes da Associação de Desenvolvimento das Serras d’Aire e Candeeiros (ADSAICA).

Maria de Jesus Fernandes defende a criação de novos materiais de comunicação com ferramentas interactivas. Segundo a responsável, o monumento, classificado em 1996 e aberto ao público um ano depois, nunca recebeu obras de melhoramento. Além das medidas de geopreservação da jazida, que pela sua dimensão não podem passar pela solução mais óbvia, que seria uma cobertura, a responsável elencou uma série de intervenções urgentes como a renovação das vedações e do mobiliário exterior, a criação de passadiços sobreelevados para evitar o pisoteio da jazida, entre outras. E lembrou a importância de fazer um levantamento 3D de todo o local para memória futura.

A criação de rotas de visitação que liguem as diferentes jazidas do território do PNSAC, com mais de 40 mil hectares, faz parte doprojecto para a melhoria das condições de visitação do monumento, elaborado no âmbito da ADSAICA e apresentado ao Ministério do Ambiente. Segundo Maria de Jesus Fernandes, o projecto está orçamentado em cerca de 800 mil euros.

Pedro Ferreira, presidente da Câmara de Torres Novas, aproveitou a ocasião para pedir um acordo protocolar com o Governo para a gestão do espaço do Monumento Natural, por não haver condições económicas para uma gestão municipal. O ministro, João Pedro Matos Fernandes, respondeu que estão previstas oito grandes intervenções para o próximo ano, com um total de investimento a rondar os oito milhões de euros, e que o Parque Natural da Serra D’Aire e Candeeiros é um dos contemplados.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo