Sociedade | 08-05-2019 10:00

Obras nas barreiras de Santarém continuam a deslizar no tempo

Obras nas barreiras de Santarém continuam a deslizar no tempo

Novo prazo para conclusão da empreitada na encosta de Santa Margarida é agora Janeiro de 2021.

As obras de estabilização da encosta de Santa Margarida, em Santarém, continuam envolvidas em contratempos e viram o seu prazo de conclusão deslizar agora para Janeiro de 2021, mas o presidente da câmara garante que esses problemas não impedem a reabertura da EN 114 quando a empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP) assim o entender.

O prazo de execução da empreitada inicialmente aprovado foi de 780 dias, estando agora nos 1385 dias. As obras têm estado suspensas em grande parte da área prevista devido a uma série de contrariedades, entre outras: falta de autorização do proprietário dos terrenos situados nas traseiras do arquivo municipal e do Teatro Rosa Damasceno para se intervir aí; resolução dos problemas de drenagem de esgotos pluviais e domésticos do edifício dos números 1 a 7 da Rua de Santa Margarida; e demolição do edifício número 11 da mesma rua, cuja expropriação demorou mais que o previsto.

Situações que o empreiteiro espera ver resolvidos até ao início de Julho próximo. Só depois as obras podem entrar em velocidade de cruzeiro, com o novo prazo de conclusão da empreitada estimado para 12 de Janeiro de 2021. Se tudo tivesse corrido como inicialmente previsto no concurso público, as obras na encosta de Santa Margarida deviam acabar neste mês de Maio. Entretanto, o prazo de conclusão foi sucessivamente revisto para Outubro de 2019, Julho de 2020 e agora Janeiro de 2021.

A alteração ao plano de trabalhos foi aprovado na reunião de câmara de segunda-feira, 6 de Maio, com fortes críticas da oposição socialista Os quatro vereadores do PS votaram contra considerando muito negativa a forma como foi conduzido todo o processo referente à empreitada e sublinhando que a EN114 continua fechada ao trânsito entre a cidade e a Ribeira de Santarém, com os consequentes transtornos. Alertaram ainda para as repercussões financeiras que o arrastar dos trabalhos acarretam.

O presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves (PSD), lamentou a existência dessas contrariedades mas garante que as mesmas não colidem com a EN114, considerando que há condições para a sua reabertura desde Setembro de 2018, após as obras feitas na zona onde se registou o deslizamento de terras que levou ao seu corte, em Agosto de 2014.

Ricardo Gonçalves reconheceu que a empreitada está a correr mal mas não gostou de ver os socialistas associarem o atraso nas obras na encosta de Santa Margarida à demora na reabertura da estrada, dizendo que essa decisão pertence à Infraestruturas de Portugal.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1407
    13-06-2019
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1407
    13-06-2019
    Capa Médio Tejo