O MIRANTE TV | 18-02-2021

A histórica Quinta da Atela renasceu e investe na produção de vinhos

Prémio Prestígio Empresarial - Quinta da Atela - (Grupo Valsabor)

Nos últimos três anos, a Quinta da Atela, em Alpiarça, renasceu. As velhas e degradadas instalações foram recuperadas, as vinhas remodeladas e aumentadas e a marca relançada. Novos projectos estão em marcha, dinamizados pelo entusiasmo da empresária Anabela Tereso.

Anabela Tereso fala com entusiasmo e orgulho, no trabalho desenvolvido na Quinta da Atela, em Alpiarça, mas confessa que, a primeira vez que lá entrou, em 2017, ficou tão desanimada que esteve seis meses sem lá voltar.

O marido, Fernando Vicente tinha comprado a Quinta sem ela saber e o choque que teve ao ver o espaço em tão mau estado, abalou-a. Mas o desânimo passou e quando meteu mãos à obra a Quinta transfigurou-se por completo com a remodelação das instalações, o investimento em novas vinhas, a criação de uma nova imagem e a implementação de novas funcionalidades.

A nova Quinta da Atela, que integra o grupo Valgrupo, gerido por Fernando, Anabela e pelos filhos Davide e André, fez o primeiro engarrafamento de tintos no final de 2017, na altura com os recursos existentes numa adega que estava inactiva. Apesar das limitações a nível da produção os vinhos receberam alguns prémios. Desde então, a aposta tem sido na melhoria das vinhas e das condições e técnicas de produção.

Em 2019 e 2020 foram investidos em vinhas novas cerca de 750 mil euros, a que se somaram mais 250 mil euros na reabilitação das instalações e na melhoria da imagem. A Quinta, que está a expandir as vinhas, quer apostar nos vinhos brancos, que são os melhores vinhos da zona.

A reimplantação da marca Quinta da Atela, não foi fácil. No entanto, com esforço, qualidade e divulgação já é mais conhecida, para o que contribui também o facto de estar a fazer produtos diferentes, tendo apostado em 2020 em quatro vinhos monovarietais brancos e mais três monocastas tintos.

A diversificação dos produtos da Quinta da Atela passa também pela aposta em dois vinhos espumantes, que estão em estágio e que devem começar a ser comercializados no final deste ano. Outro produto que vem acrescentar valor à marca é o licoroso envelhecido em barris de casca de carvalho, que já existia mas que não estava registado.

Para este ano de 2021 a grande aposta da quinta é na abertura da nova loja de vinhos, junto à adega, que vai ter um estilo moderno e um amplo espaço, não só de exposição como para provas e pequenos eventos.

Uma zona da adega também está a ser transformada num grande salão de eventos. A quinta dispõe ainda de uma capela decorada por Anabela Tereso, que foi também quem colocou os azulejos fazendo uso das técnicas aprendidas na juventude, quando foi pintora de cerâmica. Há ainda uma casa que vai funcionar como alojamento local com quatro suites.

Actualmente a Quinta da Atela está a trabalhar na introdução dos vinhos nas grandes superfícies e a tentar abrir portas para a exportação para a China, onde a empresa principal do grupo, a Valsabor, já coloca uma grande quantidade de carnes. A Quinta tem armazenados cerca de um milhão e 200 mil litros de vinhos e a adega tem capacidade para três milhões de litros.

A Quinta da Atela remonta a 1346, quando foi criada pelos Condes de Ourém e doada ao Convento da Graça de Santarém dos Agostinhos Calçados. Na altura designava-se por Quinta da Goucha. Nos seus terrenos há também outros motivos históricos de interesse, como a estação arqueológica do Cabeço da Bruxa.

Instituto Politécnico de Santarém patrocina prémio Prestígio Empresarial

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1496
    10-02-2021
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1496
    10-02-2021
    Capa Vale Tejo