Opinião | 27-08-2019 15:00

Milagres, assédios e bestas

Milagres, assédios e bestas
OPINIÃO

Emails do Outro Mundo

Inelutável Serafim das Neves

Há dias o cantor de ópera Plácido Domingo foi acusado, por nove mulheres ao mesmo tempo, de as ter assediado há uns trinta e tal anos. À medida que a indústria farmacêutica cria melhores fármacos para a memória mais abusadores e predadores, como lhes chamam, vão sendo denunciados.

No que nos toca, se o memorex da vida sexual continuar a ser desenvolvido e se o alvo continuar a ser a ópera, ainda vamos assistir ao aparecimento de vítimas de convites indecentes e de roços inconvenientes perpetados em Santarém pelo tenor José Carreras, quando este actuou na Escola Prática de Cavalaria, há dez anos.

Eu já estive a tentar lembrar-me se pisquei o olho a alguém ou se olhei mais de meio segundo para algum decote mais pronunciado durante a noite escalabitano-operática de 25 de Julho de 2009 mas acabei por desistir e acho que nem me vou dar ao trabalho de recorrer a fármacos para avivar a memória.

Não sendo futebolista, nem artista de cinema, nem cantor de ópera, só poderia vir a ser acusado de assédio se me saísse o euromilhões e eu deixei de jogar logo que surgiram os primeiros casos, só por causa das coisas. E aqui não estou a utilizar a palavra coisas com segundo sentido, juro!

Mas passemos a assuntos mais cristãos que de demónios está o mundo cheio. Em Abrantes foi criado um movimento de cidadãos para defender um padre. De início até pensei que era mais um daqueles casos de um sacerdote que, tentado pelo demónio, comunga uma paroquiana. Pecados da carne, como sabes.

Enganei-me. Trata-se de um padre milagreiro, pelo que li, que está a ser injustiçado, tanto pela justiça dos homens, no caso pelo Tribunal de Santarém, como pela justiça da igreja católica, personificada pelo Bispo de Portalegre.

Qual foi o milagre do pároco José da Graça? Gerindo ele alguns projectos de carácter social, entre os quais um de reabilitação de toxicodependentes, conseguiu, segundo reza a sentença do Tribunal de Santarém, receber uns largos milhares da Segurança Social para as suas obras, apresentando para tal, tratamentos e curas de pessoal que estava curado ou em tratamento alternativo numa qualquer prisão.

Em vez de recompensas o empreendedor sacerdote recebeu castigos. O Tribunal aplicou-lhe cinco anos de prisão com pena suspensa. O Bispo de Portalegre afastou-o dos seus estimados paroquianos, toxicodependentes ou não. Neste desgraçado país continua a não se reconhecer o mérito, é o que é.

O deputado do PSD Duarte Marques, que é ali de Mação, chamou “besta” ao primeiro-ministro no Facebook. E comparou-o aos presidentes dos Estados Unidos da América e do Brasil, Donald Trump e Jair Bolsonaro e até ao ministro Eduardo Cabrita.

Foi a propósito das posições de António Costa sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas e acabei por ler a parte da besta em alguns jornais porque quando fui à procura da tal besta ao Facebook, ela tinha desandado do sítio onde tinha estado. As bestas sempre foram muito irrequietas, como sabes.

Percebo agora porque é que a direcção nacional do PSD decidiu voltar a recandidatar Duarte Marques a deputado, metendo-o na lista a martelo. Percebo e concordo. Chamar besta a um primeiro-ministro exige uma experiência e um saber fazer parlamentar que só alguns possuem. É verdade que no tempo de Passos Coelho não houve cão nem gato que não lhe chamasse nomes bem piores que besta mas tens que concordar que...não é a mesma coisa.

Desalmados cumprimentos

Manuel Serra d’Aire

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1341
    19-09-2019
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1341
    19-09-2019
    Capa Médio Tejo