Sociedade | 21-11-2020 07:00

GNR apreende cerca de tonelada e meia de pinhas em Benavente

Cerca de uma tonelada e meia de pinhas de pinheiro-manso foi apreendida na sexta-feira, 13 de Novembro, em Benavente.

Cerca de uma tonelada e meia de pinhas de pinheiro-manso foi apreendida na sexta-feira, 13 de Novembro, em Benavente, anunciou a Guarda Nacional Republicana (GNR), indicando que é proibida a colheita até 1 de Dezembro.

A apreensão ocorreu no âmbito da Operação Campo Seguro e após uma denúncia, em que os militares da GNR realizaram “diversas diligências policiais que permitiram recuperar as pinhas da espécie Pinus pinea L. [pinheiro-manso] que estavam num apartamento desabitado”, na localidade de Benavente.

Além de “cerca de uma tonelada e meia de pinhas de pinheiro-manso”, esta força de segurança apreendeu material utilizado na apanha, que foi entregue ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). A acção foi desenvolvida pelo Comando Territorial de Santarém da GNR, através do Posto Territorial de Benavente, com o reforço do Destacamento de Intervenção de Santarém.

Em comunicado, a GNR reforçou que “a colheita de pinhas de pinheiro-manso é proibida entre 1 de Abril e 1 de Dezembro e, ainda que esteja caída no chão, a sua apanha está interditada por se encontrar em época de defeso”, para salvaguardar o crescimento e desenvolvimento da pinha e do pinhão e evitando a colheita da semente com deficiente faculdade germinativa e mal amadurecida.

Em 2019, até 28 de Novembro, mais de 4.000 quilogramas (kg) de pinhas de pinheiro-manso foram apreendidos, quase quatro vezes mais do que a quantidade confiscada em 2018, avançou a GNR. Apelidado de “ouro branco” das florestas, o miolo do pinhão no mercado nacional tem oscilado de preço, nos últimos anos, entre os 79 euros/kg e os 120 euros/kg.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1483
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1483
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo