Sociedade | 13-12-2022 07:00

Maus cheiros de pecuárias em Coutada Velha são para acabar até 2024

Odor fétido proveniente da actividade pecuária em Coutada Velha é há muito contestado.

O novo PDM de Benavente define que as empresas terão que se deslocalizar até 2024 e pelo menos uma, a que causa mais incómodos, já tem licença para construir novas instalações afastadas da população.

As queixas da população de Coutada Velha por causa dos odores nauseabundos libertados pelas explorações pecuárias instaladas junto a zonas habitacionais da localidade do concelho de Benavente duram há quase duas décadas mas estão, finalmente, mais perto de acabar. Todas as empresas do sector terão obrigatoriamente que se deslocalizar para zonas mais afastadas até 2024 e pelo menos uma está prestes a avançar com a construção de novas instalações para que as actuais fiquem inactivas dentro do prazo previsto.
Segundo o presidente da Câmara de Benavente, Carlos Coutinho, a suinicultura em causa, que é “a que provoca mais incómodos”, já obteve os pareceres favoráveis da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) e o projecto encontra-se em fase final de licenciamento. O que leva a crer, sustentou o autarca, que “irá avançar em breve a construção das instalações”.
O autarca da CDU, que falava na última reunião do executivo municipal em resposta ao vereador do PSD, Luís Feitor, salientou ainda que até Fevereiro de 2024 as empresas de criação e abate de animais instaladas próximas do núcleo residencial de Coutada Velha que não se tenham deslocalizado terão que encerrar, “pelo que ficou definido em 2015 aquando da aprovação do PDM” (Plano Director Municipal) e que se tornou eficaz em Fevereiro de 2019. Para Carlos Coutinho a permanência de empresas libertadoras de maus cheiros junto das populações “constitui uma situação inadmissível” geradora de “má qualidade de vida” esperando por isso “que esteja muito próxima a sua eliminação”.
Saneamento básico
é promessa por cumprir
Além da indústria pecuária os habitantes de Coutada Velha queixam-se há anos da falta de saneamento básico, o que também contribui para os maus-cheiros que por ali se fazem sentir sobretudo em dias de calor. Sobre este problema, o presidente do município disse, na mesma reunião camarária, que a expectativa é que as obras, que envolvem a autarquia e a Águas do Ribatejo, aconteçam durante o ano de 2023.
“As expectativas são bastante positivas para resolvermos compromissos que já são antigos e que, por várias razões, não foi possível concretizar”, declarou o autarca, informando que a Águas do Ribatejo ainda não tem a sua parte do projecto concluída. As obras, disse ainda, vão ser financiadas pelo Portugal 2030. Em 2020, recorde-se, Carlos Coutinho disse a O MIRANTE que estava previsto para o ano seguinte o arranque desta empreitada.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Médio Tejo